Correio do Povo

Porto Alegre, 19 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
21ºC
Amanhã
16º 22º


Faça sua Busca


Arte & Agenda > Variedades > Música

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

20/12/2013 16:40 - Atualizado em 20/12/2013 16:53

Mariah Carey é criticada por fazer show ao presidente de Angola

Evento foi patrocinado por empresa de telefonia móvel que pertence à filha de José Eduardo dos Santos

Evento foi patrocinado por empresa de telefonia móvel que pertence à filha de José Eduardo dos Santos<br /><b>Crédito: </b> Robyn Beck / AFP / CP
Evento foi patrocinado por empresa de telefonia móvel que pertence à filha de José Eduardo dos Santos
Crédito: Robyn Beck / AFP / CP
Evento foi patrocinado por empresa de telefonia móvel que pertence à filha de José Eduardo dos Santos
Crédito: Robyn Beck / AFP / CP

Defensores dos direitos humanos criticaram a cantora americana Mariah Carey por fazer um show para o veterano presidente angolano, José Eduardo dos Santos. A cantora teria recebido 1 milhão de dólares pelo evento. 

Carey fez um show de duas horas no domingo em uma festa organizada em Luanda para a Cruz Vermelha, na qual foram arrecadados ao menos 65 mil dólares, segundo a agência oficial angolana Angop. O site da agência mostra Mariah Carey cantando com um vestido vermelho e posando com o presidente e com sua filha Isabel.

O evento foi patrocinado por uma empresa de telefonia móvel de propriedade de Isabel dos Santos, a sétima pessoa mais rica da África, segundo a revista Forbes, e que também preside a Cruz Vermelha angolana. "É um triste espetáculo ver uma artista internacional comprada por um Estado policial impiedoso, para entreter e lavar uma cleptocracia formada por pai e filha que acumulou ilicitamente uma fortuna de bilhões de dólares, enquanto a maioria dos angolanos vive com menos de dois dólares por dia", disse Halvorssen.

"Mariah Carey não parece ter o suficiente com o dinheiro que recebe de ditadores, mais de 1 milhão de dólares desta vez", declarou um militante deste grupo, Thor Halvorssen. O ativista se referia de forma implícita a um show que a artista fez para um dos filhos do ex-líder líbio Muanmar Kadhafi, morto em 2011 após uma rebelião que derrubou seu regime. O show aconteceu em 2008 e três anos depois a artista disse que se sentia muito mal e muito chateada por sua atuação.

Bookmark and Share

Fonte: Correio do Povo







O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.