Correio do Povo

Porto Alegre, 16 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
28ºC
Amanhã
19º 29º


Faça sua Busca


Arte & Agenda > Variedades

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

27/12/2013 16:05 - Atualizado em 27/12/2013 16:37

Pussy Riots querem presidente Putin fora do poder na Rússia

Integrantes do grupo punk foram libertadas após acusação de vandalismo

Pussy Riots querem presidente Putin fora do poder<br /><b>Crédito: </b> Yevgeny Feldman / AFP / CP
Pussy Riots querem presidente Putin fora do poder
Crédito: Yevgeny Feldman / AFP / CP
Pussy Riots querem presidente Putin fora do poder
Crédito: Yevgeny Feldman / AFP / CP

As integrantes da banda punk Pussy Riot, libertadas nessa semana, afirmaram que lutarão para tirar do poder o presidente da Rússia, Vladimir Putin, e que apoiariam uma candidatura do ex-oligarca Mikhail Khodorkovsky, que recebeu indulto do chefe de Estado russo.

As duas jovens chegaram a Moscou na manhã desta sexta-feira e apresentaram seu projeto para defender os direitos dos presos em sua primeira entrevista coletiva desde que foram libertadas em 23 de dezembro passado. Elas também criticaram duramente o presidente russo.

"Em relação a Putin, nossa posição não mudou. Queremos continuar fazendo aquilo pelo que nos prenderam: queremos tirá-lo do poder", declarou Nadezhda Tolokonnikova em uma coletiva de imprensa junto com a outra libertada, Maria Alyokhina. A jovem música, de 24 anos, se referiu à "oração punk" contra Putin, que o grupo cantou em fevereiro de 2012 na catedral do Cristo Salvador.

As três foram acusadas de "vandalismo" e incitação ao ódio religioso e condenadas a dois anos de prisão, mas Samutsevich foi libertada em outubro de 2012, enquanto suas duas companheiras se beneficiaram esta semana de uma ampla anistia concedida pelo Kremlin.

Ex-agente da KGB e alto funcionário sem grande expressão, Putin teve uma ascensão meteórica e se tornou o símbolo da volta da Rússia à estabilidade após o caos dos anos que se seguiram à queda da União Soviética (URSS) e o fim do comunismo. Nomeado em agosto de 1999 primeiro-ministro por Boris Yeltsin, um presidente desacreditado e arruinado pelo alcoolismo, em um país empobrecido e debilitado pela crise financeira de 1998, Putin consolidou seu poder em níveis nunca vistos desde a era soviética.

Referindo-se uma vez mais ao atual presidente russo, Tolokonnikova declarou: "Penso que, de verdade, ele acredita que o Ocidente é uma ameaça para o nosso país". Alyokhina, de 25 anos, considerou que para Putin "sempre há conspirações, suspeitas". "Se uma pessoa tenta controlar tudo, cedo ou tarde o controle lhe escapa das mãos. Em primeiro lugar porque é impossível controlar tudo", advertiu.

Alguns interpretam estas três libertações como uma tentativa de melhorar a imagem da Rússia com vistas aos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, em fevereiro de 2014. Ao contrário de Khodorkovsi, as duas jovens músicas pediram o boicote dos Jogos de Sochi, cidade situada no Cáucaso russo.


Bookmark and Share

Fonte: AFP







O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.