Correio do Povo

Porto Alegre, 1 de Outubro de 2014


Porto Alegre
Agora
16ºC
Amanhã
13º 20º


Faça sua Busca


Arte & Agenda > Variedades > Cinema

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

09/01/2014 22:41 - Atualizado em 10/01/2014 07:37

"Ninfomaníaca" chega aos cinemas

Diretor apresenta busca do domínio da sexualidade feminina

Obra do polêmico diretor dinamarquês leva sexualidade ao extremo<br /><b>Crédito: </b> Divulgação CP
Obra do polêmico diretor dinamarquês leva sexualidade ao extremo
Crédito: Divulgação CP
Obra do polêmico diretor dinamarquês leva sexualidade ao extremo
Crédito: Divulgação CP

Chega nesta sexta-feira aos cinemas brasileiros “Ninfomaníaca”, novo filme do polêmico diretor dinamarquês Lars von Trier. Na verdade, trata-se da primeira de duas partes que compõem as quatro horas da versão final da obra, anunciada pelo diretor como projeto em 2011, pouco depois de lançar “Melancolia” no Festival de Cannes.

Em “Ninfomaníaca”, ele apresenta algo que pode ser entendido como a busca do domínio da sexualidade feminina. Essa busca surge na tela como uma espécie de sessão de terapia, na qual a mulher, Joe (Charlotte Gainsbourg na maturidade, Stacy Martin na juventude) confessa-se a Seligman (Stellan Skarsgard), um homem que a encontrou desacordada e ferida no meio da rua. Durante os 110 minutos desta primeira parte do filme, a sexualidade é levada ao extremo, espécie de idealização do êxtase, do gozo absoluto, contada pela própria protagonista, desde suas experiências infantis até o encontro de dois polos dissociados até então em suas experiências pessoais: o amor e o sexo.

A narrativa que emerge do diálogo entre Joe e Seligman constrói a colcha de retalhos da multifacetada e luxuriosa história da vida da moça. Atento, Seligman vai fazendo associações que enriquecem a trama e criam analogias: vão da arte da pesca até a criação musical, passando pelos comportamentos felinos e pela matemática mais profunda.

Lars Von Trier não é um diretor de puro entretenimento. Há densidade em seu cinema e, no mínimo, polêmica em suas posições. A polifonia narrativa de sua obra já foi sentida quando participou da criação do movimento Dogma 95. De lá para cá, polemizou tratando de questões como a submissão e diferentes formas de doenças mentais. É famosa a sua trilogia formada por “Dogville” (2003), “Manderlay” (2005) e “Washington” (ainda sem estreia prevista), em que apresenta uma espécie de peça de teatro filmada em um galpão da Suécia.

“Ninfomaníaca” é recheado de erotismo e sexualidade, e reúne atores que já trabalharam com o diretor anteriormente: Charlotte Gainsbourg e Willem Dafoe (que protagonizaram “Anticristo”, em 2009); e Skarsgard (este será o sexto filme do ator com o diretor). Também integram o elenco Shia LaBeouf, Uma Thurman e Jamie Bell. O “Volume 2”, deve estrear em março. Até lá, prepare-se e tente divertir-se, refletindo e aprendendo.


Bookmark and Share

Fonte: Marcos Santuário / Correio do Povo





» Tags:Cinema Variedades

O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.