Porto Alegre, quinta-feira, 23 de Outubro de 2014

  • 03/02/2014
  • 07:35
  • Atualização: 07:40

Woody Allen rechaça acusações de abuso como "falsas e infames"

Assessora do diretor comentou acusações da filha adotiva Dylan Farrow

Woody Allen rechaça acusações de abuso | Foto: Tiziana Fabi / AFP / CP

Woody Allen rechaça acusações de abuso | Foto: Tiziana Fabi / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

O diretor de cinema Woody Allen rechaçou, neste domingo, as acusações de abuso sexual feitas por sua filha adotiva, Dylan Farrow, denominando-as de "falsas e infames". "A declarção foi feita pela assessora do diretor, Leslee Dart, a respeito da carta aberta publicada pela jovem em um blog no jornal The New York Times.

A assessora acrescentou que o diretor responderá às acusações "muito em breve". Dart destacou que uma investigação realizada por especialistas independentes indicados pela Justiça na época não encontrou evidências do crima. "Os especialistas concluíram que não havia evidência confiável de molestamento, que Dylan Farrow tem incapacidade de distinguir fantasia de realidade e que Dylan Farrow provavelmente teria sido instruída pela mãe, Mia Farrow", declarou Dart.

Em plena temporada do Oscar, a filha adotiva de Woody Allen acusou na véspera o cineasta de agressão sexual quando ela era uma criança, ao falar pela primeira vez publicamente sobre antigos boatos que o diretor sempre negou. Dylan Farrow, de 28 anos, que Woody Allen havia adotado com a atriz Mia Farrow quando ambos estavam juntos, afirma em uma carta aberta publicada em um blog do jornal New York Times que sofreu abuso do pai adotivo na casa da família com apenas sete anos de idade. Ela disse não conseguiu suportar que Allen tenha recebido o Globo de Ouro pelo conjunto da obra, nem suas últimas indicações ao Oscar.

"Desta vez decidi não desmoronar", afirmou. "Quando tinha sete anos, Woody Allen me pegou pela mão e me levou a um pequeno espaço mal iluminado do segundo andar de nossa casa. Ele disse para que eu deitasse com o estômago para baixo e brincasse com um trem elétrico do meu irmão. Então ele me agrediu sexualmente", afirma a jovem na carta aberta, difundida na noite de sábado. "Ele falava comigo enquanto fazia aquilo, murmurando que que eu era uma boa menina, que este era nosso segredo, prometendo que nós iríamos a Paris e que eu seria uma estrela do cinema", completou Dylan Farrow. A jovem conta que conversou com a mãe sobre o ocorrido na ocasião. "Até onde me lembro, meu pai fez coisas comigo que eu não gostava", acrescentou.

 As acusações começaram em 1992, quando Mia Farrow acusou Woody Allen de ter agredido Dylan. As acusações foram apresentadas no momento em que a atriz estava em uma disputa intensa com o cineasta depois de ter descoberto que ele mantinha um relacionamento com outra filha, Soon-Yi Previn, que Mia havia adotado com um ex-companheiro. Na época a jovem tinha 20 anos e em 1997, ela se casou com Allen, com quem está até hoje e tem dois filhos adotivos. Uma investigação sobre as acusações foi aberta em Connecticut (estado onde a família vivia).

Um promotor considerou que havia "razões suficientes" para processar Allen, mas se recusou por considerar que a jovem era "frágil demais", uma decisão que rendeu muitas páginas nos jornais. O diretor, que nunca foi legalmente acusado, sempre negou ter agredido sexualmente Dylan Farrow e acusou Mia de ter "vergonhosamente manipulado crianças inocentes".

Em 1994, após três anos de batalha jurídica, um tribunal de Nova York retirou de Allen o direito de ver regularmente Dylan Farrow, que rejeitava suas visitas. "Woody Allen nunca foi condenado por nenhum crime. Que ele tenha escapado do que fez comigo me atormentou enquanto eu crescia", completa no texto Dylan Farrow, que acusa Hollywood de ter fechado os olhos para os fatos e de ter continuado a premiar o cineasta.

Críticas a Hollywood

"Eu me ausentei da homenagem a Woody Allen. Por acaso, mencionaram a parte em que uma mulher confirma publicamente que foi agredida por ele aos 7 anos, antes ou depois de 'Noivo Neurótico, Noiva Nervosa'?" (nr: Annie Hall, título original), escreveu no Twitter Ronan Farrow, de 26 anos, filho biológico de Allen e Mia Farrow, atualmente afastado do pai. Recentemente, a atriz levantou dúvidas sobre a paternidade do jovem, ao aventar a possibilidade de ele ter sido fruto de um relacionamento extraconjugal com o cantor Frank Sinatra, com quem a atriz foi casada no final dos anos 60.

O caso Dylan manchou sua imagem, mas Allen mantém uma carreira que iniciou há mais de cinco décadas, com mais de 40 filmes, 24 indicações ao Oscar (três no mês passado com seu último filme, "Blue Jasmine"), quatro estatuetas da Academia e outros prêmios. "Woody Allen nunca foi condenado por crime algum e que tenha escapado do que fez comigo me atormentou durante toda a minha juventude", acrescentou na carta Dylan Farrow, que acusa Hollywood de ter fechado os olhos para os fatos e continuado a premiar o cineasta. "Hollywood aumentou meu tormento", prosseguiu. "Todo mundo, à exceção de alguns (meus heróis), fechou os olhos", insistiu.

"Woody Allen é o exemplo vivo da forma como a nossa sociedade deprecia os sobreviventes de agressões e abusos sexuais", acusou a jovem. Ela explicou ao jornalista que publicou a carta em seu blog que havia decidido quebrar o silêncio para esclarecer o ocorrido e incentivar outras vítimas de abusos. "Se não falasse, o lamentaria em meu leito de morte", argumentou.

Bookmark and Share


TAGS » Cinema, Variedades