Correio do Povo

Porto Alegre, 28 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
6ºC
Amanhã
10º 23º


Faça sua Busca


Arte & Agenda > Variedades

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

10/03/2014 12:49 - Atualizado em 10/03/2014 13:01

França se despede do cineasta Alain Resnais

Retrato famoso do diretor foi colocado na igreja de São Vicente de Paulo, em Paris

Retrato famoso do cineasta foi colocado na igreja de São Vicente de Paulo na Capital francesa<br /><b>Crédito: </b> Lionel Bonaventure / AFP / CP
Retrato famoso do cineasta foi colocado na igreja de São Vicente de Paulo na Capital francesa
Crédito: Lionel Bonaventure / AFP / CP
Retrato famoso do cineasta foi colocado na igreja de São Vicente de Paulo na Capital francesa
Crédito: Lionel Bonaventure / AFP / CP

Personalidades e atores franceses que trabalharam com o cineasta Alain Resnais participaram nesta segunda-feira, em Paris, em uma cerimônia de adeus ao monstro sagrado do cinema, que faleceu no início do mês. Um famoso retrato de Resnais, com camisa vermelha e cabelo branco, foi colocado na entrada da igreja de São Vicente de Paulo da capital francesa, que estava repleta de flores brancas.

Durante a cerimônia, que aconteceu antes do sepultamento do diretor, foram exibidos trechos de filmes e tocadas músicas que agradavam Resnais, incluindo "O Gordo e o Magro". Também foram exibidos vídeos do cineasta por trás das câmeras.

Os atores que mais trabalharam com ele – como Sabine Azema, esposa de Resnais, André Dussolier e Pierre Arditi – também homenagearam o diretor de filmes como "Hiroshima, Meu Amor", "O Ano Passado em Marienbad", "Ervas Daninhas", "A guerra acabou", entre outros. "Com Sabine Azema, selecionamos momentos do cinema nos filmes que ele valorizava, que eram um pouco como seu jardim secreto. Quando era adolescente, exibia filmes do Gordo e Magro para os amigos", declarou o ator Bruno Podalydes.

O primeiro-ministro francés Jean-Marc Ayrault e a ministra da Cultura, Aurelie Filippetti, compareceram à cerimônia, vários atores carregaram o caixão para dentro da igreja, lotada de personalidades do cinema francês. Na edição mais recente do Festival de Berlim, em fevereiro, o cineasta foi homenageado por seu último filme, "Aimer, boire et chanter" "Amar, beber e cantar", uma fantasia sobre o teatro e o cinema.

No festival, ele recebeu o prêmio Alfred Bauer, atribuído "a um filme que abre novas perspectivas". Nonagenário, ele ainda filmava sobre temas como o amor, a memória e a morte. Há dois anos ele declarou no Festival de Cannes que fazia os filmes para ele mesmo, em um esquema "faça você mesmo". "É como um laboratório de experimentos, no qual você mistura coisas sem saber o resultado que vai obter", disse.

Bookmark and Share




Fonte: AFP






O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.