Correio do Povo

Porto Alegre, 22 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
27ºC
Amanhã
14º 23º


Faça sua Busca


Arte & Agenda > Variedades > Literatura

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

13/03/2014 08:24 - Atualizado em 13/03/2014 09:20

Juremir Machado examina papel da imprensa na ditadura brasileira

“1964 - Golpe Midiático Civil-Militar” será lançado às 18h no Espaço Cultural Correio do Povo

Juremir autografa nesta quinta novo livro <br /><b>Crédito: </b> Fabiano do Amaral
Juremir autografa nesta quinta novo livro
Crédito: Fabiano do Amaral
Juremir autografa nesta quinta novo livro
Crédito: Fabiano do Amaral

Pesquisador incansável e sempre esclarecedor de temas obscuros da história, da política e das biografias, Juremir Machado da Silva aproveita agora a efeméride dos 50 anos do golpe de 1964, para colocar um pouco mais de luz sobre o golpe que foi militar, mas teve um apoio civil e midiático incomum. O jornalista e escritor lança nesta quinta-feira, às 18h, o livro “1964 - Golpe Midiático Civil-Militar” (Sulina), no Espaço Cultural Correio do Povo "Andradas, 972”.

O livro examina o melancólico e lamentável papel da imprensa no parto do regime autoritário implantado no Brasil em 1964. No inventário da implantação da ditadura durante mais de 30 anos, um setor da sociedade ainda não foi para o banco dos réus: a mídia. “Eu não cobro da imprensa que não tivesse lado, mas ela ficou do lado errado. O lado certo era o respeito à Constituição e à lei”, afirma Juremir, lembrando que muitos jornalistas e veículos de comunicação voltaram atrás em seu apoio até 1968, quando da publicação do AI 5.

Conforme o autor, militares, torturadores, golpistas e a mídia se autoanistiaram e tentaram reescrever a história se proclamando anos depois como combatentes do regime. “O João Goulart não era um homem perfeito, mas estava fazendo as reformas agrária, urbana e política, que atingiam alguns interesses e jornalistas como Alberto Dines e Antonio Callado e veículos como Jornal do Brasil, Estadão e Correio da Manhã avalizaram o regime ditatorial”, conta o autor. A obra estará à disposição na loja do Correio do Povo, com desconto de 20% para assinantes. e detalhes pelo fone 3216-1600.

Bookmark and Share




Fonte: Luiz Gonzaga Lopes / Correio do Povo






O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.