Correio do Povo

Porto Alegre, 20 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
16ºC
Amanhã
11º 19º


Faça sua Busca


Arte & Agenda > Variedades

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

17/04/2014 23:52 - Atualizado em 18/04/2014 00:45

Corpo de Gabriel García Márquez está sendo velado

Escritor morreu no México nesta quinta-feira, aos 87 anos

Escritor morreu no México nesta quinta-feira, aos 87 anos<br /><b>Crédito: </b> Baltazar Mesa / AFP / CP
Escritor morreu no México nesta quinta-feira, aos 87 anos
Crédito: Baltazar Mesa / AFP / CP
Escritor morreu no México nesta quinta-feira, aos 87 anos
Crédito: Baltazar Mesa / AFP / CP

O corpo do escritor e jornalista Gabriel García Márquez, que morreu nesta quinta-feira, aos 87 anos, está sendo velado em uma funerária na região sul da Cidade do México, onde ele residia. A cerimônia é fechada para familiares e amigos e cerca de 20 seguranças estão no local.

•  O legado de García Marquez, por ele mesmo
• Editora vai relançar os livros de Garcia Marquez no Brasil 
• Dilma e Obama lamentam morte de Gabriel García Márquez

Por meio de um comunicado, a família informou que irá cremar os restos mortais do escritor, mas não divulgou a localização em que serão depositadas as cinzas. Na semana passada, o autor foi internado em função de problemas respiratórios, mas havia recebido alta e voltado para casa, junto dos familiares. El Gabo era casado com Mercedes Barcha Pardo desde 1958. Eles tiveram dois filhos: Rodrigo, que nasceu em 1959, e Gonzalo, nascido em 1962.

A diretora do Instituto Nacional de Belas-Artes, María Cristina García, que leu o comunicado à imprensa, destacou que na próxima segunda-feira ocorre a homenagem nacional a García Marquez no Palácio de Belas-Artes da capital do México. “Lá o público poderá celebrar seu legado”, afirmou ela, ressaltando que não haveriam mais informações na quinta-feira.

Uma das irmãs do escritor, Aída, disse à imprensa colombiana que espera que o corpo do escritor seja levado para sua terra natal. “Gabito é da Colômbia, têm de trazer Gabito, quer dizer, não tive tempo de pensar nisso, mas não há dúvida de que ele tem de vir e de que vão trazê-lo para nós”, declarou ela. “Ele é da Colômbia, ele é o Nobel de Literatura da Colômbia, o primeiro Nobel, então ele vem, é claro que vão trazê-lo para nós”, insistiu a irmã, reconhecendo que a decisão final é do núcleo familiar mais próximo do escritor, a viúva Mercedes Bacha e os filhos de García Márquez.

Na Colômbia, o presidente Juan Manuel Santos decretou três dias de luto nacional pelo falecimento do escritor. “Mil anos de solidão e tristeza pela morte do maior colombiano de todos os tempos! Os gigantse nunca morrem”, declarou o presidente, por meio do site oficial do governo colombiano.

De Aracatada para o mundo

Gabriel García Márquez, nasceu em 6 de março de 1927, na cidade de Aracataca, Colômbia. Seus avós maternos exerceram forte influência nas histórias do autor. Um exemplo são os personagens de "Cem Anos de Solidão". Em 1948, vai para Cartagena das Índias, Colômbia, e começa seu trabalho como jornalista no jornal El Universal. Um ano depois, vai para Barranquilha e trabalha como repórter para o jornal El Heraldo. Neste mesmo período participa de um grupo de escritores para estimular a literatura. Em 1954, passa a atuar no El Espectador como repórter e crítico.

Em 1958, trabalha como correspondente internacional na Europa, retorna a Barranquilha e casa-se com Mercedes Barcha. O primeiro romance de Gabo foi "La Hojarasca", de 1955. Em 1961, publicou "Ninguém escreve ao coronel". Já a obra "Relato de um náufrago" conta a história verídica do naufrágio de Luis Alejandro Velasco e foi publicado primeiramente no "El Espectador", somente sendo publicada em formato de livro anos depois.

“Cem Anos de Solidão”

Em 1967, publica "Cem Anos de Solidão", livro que narra a história da família Buendía na cidade fictícia de Macondo, desde sua fundação até a sétima geração. A obra livro foi considerada um marco da literatura latino-americana. Suas novelas e histórias curtas - fusões entre a realidade e a fantasia - o levaram ao Nobel de Literatura em 1982, pelo conjunto da obra.

Seu último livro foi "Memórias de Minhas Putas Tristes", escrito em 2004. Depois disso, lançou uma reunião de crônicas em "Obra Jornalística 5". Em 2009 declarou que havia se aposentado e não tinha mais intenção de escrever livros.

Bookmark and Share

Fonte: AFP






O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.