Correio do Povo

Porto Alegre, 29 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
12ºC
Amanhã
16º 27º


Faça sua Busca


Arte & Agenda > Variedades

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

21/04/2014 20:40 - Atualizado em 21/04/2014 21:00

México se despede de Gabriel García Márquez

Cinzas de escritor foram carregadas numa urna de madeira em cerimônia com milhares de fãs

Cerimônia aconteceu no Palácio das Belas Artes, com a presença da família, dois chefes de Estado e milhares de fãs
Crédito: Yuri Cortez / AFP / CP

A Cidade do México, adotada por Gabriel García Márquez, se despediu nesta segunda-feira do prêmio Nobel de Literatura com uma cerimônia no Palácio das Belas Artes, com a presença da família do escritor, dois chefes de Estado e milhares de fãs. Sob aplausos, a viúva do escritor colombiano, Mercedes Barcha, entrou no vestíbulo do Palácio carregando uma urna de madeira com as cinzas de García Márquez, que faleceu aos 87 anos na quinta-feira passada.

Barcha, seus filhos Rodrigo e Gonzalo, vários netos e Jaime García Márquez, um dos dez irmãos do escritor, entre outros familiares, chegaram ao Palácio cercados por um grande aparato policial, que os escoltou desde a casa do escritor, no bairro de El Pedregal.

A urna com as cinzas de García Márquez e flores amarelas foram colocadas em um atril negro, onde guardas de honra se revezam para homenagear o escritor internacional, que fez do México sua segunda pátria. Entre os presentes na cerimônia, muitos usaram flores amarelas na lapela (consideradas um amuleto por García Márquez), e todos cumprimentaram a viúva e os filhos do escritor, enquanto um quarteto de cordas executava músicas de Béla Bartók, Joseph Haydn e Georg Handel.

As escadas de mármore do Palácio foram decoradas com rosas amarelas e no alto do vestíbulo aparece uma enorme foto - em preto e branco - do escritor sorrindo, na qual se lê sua famosa frase: "La vida no es la que uno vivió, sino la que uno recuerda y cómo la recuerda para contarla" 

No lado de fora do Palácio, ao menos 700 pessoas - de todas as idades - fazem fila para entrar no local e se despedir do escritor. Algumas carregaram flores e outras, livros; e em vários momentos entoaram a canção "Macondo", popularizada na voz do mexicano Óscar Chávez.

"Gostaria de agradecê-lo pelo gosto que me incutiu pela leitura. Assim como nos "Cem anos de Solidão", que ele sobreviva mais 100 anos nos nossos corações", disse Joseline López, uma venezuelana de 21 anos que estuda medicina no México. "Ainda não posso acreditar que ele morreu (...). Estando aqui posso assimilar melhor as coisas", declarou Felisa Tole, uma colombiana que vive no México há oito anos.

Os presidentes de México, Enrique Peña Nieto, e Colômbia, Juan Manuel Santos, também montarão guarda ao lado das cinzas do escritor no Palácio de Belas Artes. Santos chegou na tarde de hoje ao México, acompanhado por sua mulher, María Clemencia Rodríguez, o filho Martín e uma dezena de amigos de García Márquez, entre eles o ex-presidente colombiano César Gaviria, o escritor William Ospina e os jornalistas Enrique Santos (irmão do presidente) e Roberto Pombo, diretor do jornal El Tiempo.

Na terça-feira, Santos liderará uma cerimônia solene na Catedral de Bogotá, com a presença de grandes figuras nacionais, e na quarta-feira, dia internacional do livro, haverá a leitura de "Ninguém escreve ao coronel" em mais de mil bibliotecas públicas, parques e colégios da Colômbia.


Bookmark and Share

Fonte: AFP






O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.