Porto Alegre, quinta-feira, 30 de Outubro de 2014

  • 01/05/2014
  • 12:27
  • Atualização: 12:31

OEA homenageia Gabriel García Márquez

Primeiras páginas de "Cem anos de Solidão" foram lidas em português, inglês, italiano e francês por diplomatas

  • Comentários
  • Agência Brasil

O Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) homenageou nessa quarta-feira o escritor colombiano Gabriel García Márquez, ganhador do prêmio Nobel de Literatura em 1982. Durante a sessão do conselho foram lidos trechos da obra Cem Anos de Solidão em diversos idiomas e foram executadas canções de vallenato – gênero caribenho típico da costa caribenha da Colômbia, onde nasceu Márquez. Além disso, a sede da OEA, em Washington, foi decorada com rosas e borboletas amarelas, elementos que compuseram parte de seus livros, expoentes do chamado Realismo Fantástico.

O embaixador colombiano perante à OEA, Andrés González, leu em espanhol o parágrafo que inicia o romance Cem anos de Solidão: “O coronel Aureliano Buendía, parado em frente ao pelotão de fuzilamento, recordava quando seu pai o levou para conhecer o gelo”. E assim, sucessivamente, as primeiras páginas do livro foram lidas em português, inglês, italiano e francês por diplomatas do Brasil, do Canadá, da Espanha, da Itália, dos Estados Unidos, do Haiti e outros.

O vice-presidente temporal do conselho, o uruguaio Milton Romani, disse que García Márquez foi um “filho exemplar das Américas” e artesão “obsessivo e permanente da paz”. O escritor e jornalista morreu no último dia 17 de abril, aos 87 anos, após apresentar um quadro de pneumonia, no México.

Bookmark and Share