Correio do Povo

Porto Alegre, 27 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
7ºC
Amanhã
18º


Faça sua Busca


Arte & Agenda > Variedades > Música

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

01/05/2014 19:41 - Atualizado em 01/05/2014 19:58

Jeremy Denk se firma como um dos maiores pianistas da atualidade

Americano vai unir em um recital obras complexas de Bach e Beethoven

Só pode ter sido pegadinha a historinha contada por seu primeiro biógrafo, Forkel, de que as "Variações Goldberg" nasceram como encomenda a Bach em 1741 para escrever música que fizesse dormir o insone conde Keyserling. Bach queria mesmo explorar ao limite a música para teclado. A langorosa Sarabanda, cujo baixo dá o mote para as
trinta variações que se seguem, retorna ao final, soando praticamente outra música, após a odisseia que partilhamos de carona no barco do contraponto bachiano.

Outra pegadinha é chamar de sonata (como fez o compositor) a imensa peça pianística que Charles Ives escreveu, quase 200 anos depois. É verdade que ela tem quatro movimentos, mas constrói-se como o filósofo Emerson, ídolo de Ives, em suas reflexões: por frases, ou por períodos, mais do que em sequência lógica. Escreve Ives que "antes de uma conferência, ele rabiscava no papel suas ideias sobre o tema à medida que lhe vinham ao espírito, e a juntava ao sabor do momento." É assim que evolui a gigantesca Concord.

Em suma, a primeira, em vez de induzir ao sono, provoca um estado de excitação elevadíssimo. E a segunda não quer tirar o sono de ninguém; espanta até hoje os ouvidos europeizados de quem se horroriza com suas brincadeiras misturando o tema do destino da quinta sinfonia de Beethoven com hinos e ragtimes.

Duas obras-primas, ambas atemporais. Quando reclamaram da excessiva dificuldade técnica de sua peça, Ives respondeu: "Que culpa têm os compositores se o homem tem só dez dedos?". Bach, de seu lado, previu um cravo com dois teclados, para superar a ausência de dinâmica do instrumento. Isso potencializa as dificuldades técnicas extraordinárias de quem as enfrenta num moderno Steinway.

O pianista americano Jeremy Denk fez destas duas obras degraus decisivos de uma carreira brilhante em gravações para a Nonesuch. A ideia de juntá-las num só recital é arriscadíssima. Dois Everests na mesma noite. Denk os escala com fabuloso e sutil senso de compreensão da essência de cada uma. Em Ives, combina a ginga de pianista de ragtime (em "Emerson") com a de virtuose (no dificílimo "Hawthorne"), sem esquecer da veia romântica na famosa "pérola negra" (variação 25).

Tira de letra o emaranhado de mãos e dedos nas onze variações originais para cravo com dois manuais. Tem a técnica e musicalidade dos grandes artistas, em sentido absoluto. Denk caminha rapidamente para um posto muito elevado no círculo dos melhores pianistas da atualidade.

Bookmark and Share


Fonte: AE






O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.