Correio do Povo

Porto Alegre, 23 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
17ºC
Amanhã
14º 24º


Faça sua Busca


Arte & Agenda > Variedades > Cinema

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

18/05/2014 17:07 - Atualizado em 18/05/2014 17:34

Diretor de filme sobre DSK nega acusações de antissemitismo

Ex-mulher de Dominique Strauss-Kahn revelou desgosto pela produção

Abel Ferrara negou acusações de antissemitismo em sua produção ´Welcome to New York´<br /><b>Crédito: </b> Tiziana Fabi / AFP / CP
Abel Ferrara negou acusações de antissemitismo em sua produção ´Welcome to New York´
Crédito: Tiziana Fabi / AFP / CP
Abel Ferrara negou acusações de antissemitismo em sua produção ´Welcome to New York´
Crédito: Tiziana Fabi / AFP / CP

O diretor do polêmico filme "Welcome to New York", inspirado no escândalo DSK, Abel Ferrara rebateu acusações de
antissemitismo durante entrevista neste domingo. "Eu não sou antissemita. Espero que não seja. Fui criado por mulheres judias", disse o norte-americano. O jornal francês Le Monde e a ex-mulher de Dominique Strauss-Kahn, Anne Sinclair, avaliaram que a descrição da esposa do protagonista, interpretada pela britânica Jacqueline Bisset, é antissemita. A personagem é apresentada como uma mulher rica, que ajuda o estado de Israel e herdou uma fortuna acumulada durante a guerra.

Em entrevista ao site The Huffington Post, a jornalista Anne Sinclair falou sobre seu "desgosto ao ver o suposto
cara-a-cara dos protagonistas, onde os autores e produtores do filme projetam seus fantasmas sobre o dinheiro e os judeus". "As alusões à minha família durante a guerra são particularmente degradantes e difamatórias. Elas contam exatamente o contrário do que aconteceu. Meu avô (o comerciante de arte Paul Rosenberg) teve que fugir dos nazistas, e teve a nacionalidade francesa retirada pelo governo de Vichy. Meu pai entrou na França Livre e lutou até a Liberação. Dizer outra coisa que não isso é calúnia", disparou Sinclair.

A jornalista explicou que, mesmo assim, não pretende levar o caso à justiça. "Eu não ataco a sujeira, eu a vomito". Questionado pouco antes da publicação da entrevista de Sinclair, Abel Ferrara se defendeu e disse não ter manchado a memória do pai da ex-mulher de DSK. "Não foi um colaborador. Ele quase foi morto pela Gestapo. Ele foi justamente o oposto disso, e quase teve o mesmo destino que outros 6 milhões de judeus".

Assista ao trailer:


Bookmark and Share


Fonte: AFP






O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.