Porto Alegre, segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

  • 30/05/2014
  • 19:09
  • Atualização: 19:13

Robert Stan defende transtextualidade no cinema

Intelectual veio dos EUA para falar sobre a hibridização dos gêneros no cinema no Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (Fica 2014)

Professor norte-americano é presença importante no Fica 2014 | Foto: Flávio Isaac / Divulgação / CP

Professor norte-americano é presença importante no Fica 2014 | Foto: Flávio Isaac / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Marcos Santuario / Correio do Povo

Um dos debates que movimentou esta sexta feira a Cidade Goiás trata dos limites entre ficção e documentário no cinema, que trouxe o professor Robert Stan, da Universidade de Nova Iorque para o Festival Internacional de Cinema e Video Ambiental 2014, que acontece até o próximo domingo, na Cidade de Goiás.. Em analises que levam em conta as relações sociais de hoje, Stan discute a hibridização dos gêneros, encontrando algo, de um, imerso no outro. Com olhar que combina o distanciamento com o envolvimento transitório, o professor discorre sobre as produções norte americanas do inicio do século passado, o cinema de Glauber Rocha e as contribuições de Brecht na construção cinematográfica contemporânea. "Documentário e ficção se interpenetram na teoria e na prática, e surge aqui a possibilidade de uma nova estética", resume Stan. Autor de 18 livros sobre a arte cinematográfica, com diferentes leituras, Stan defende o conceito de transtextualidade, negando o que considera a característica estanque do que se convenciona chamar de gênero. O Fica segue até domingo, na Cidade de Goiás, apresentando longas e curtas metragens focados no tema do evento, além de oficinas, debates e espetáculos musicais, que incluem Pato Fu, Gal Costa e Nação Zumbi.


TAGS »