Correio do Povo

Porto Alegre, 19 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
18ºC
Amanhã
17º 24º


Faça sua Busca


Arte & Agenda > Variedades

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

04/06/2014 10:12 - Atualizado em 04/06/2014 10:44

Blue Mountain vence batalha por "No Woman, No Cry" de Bob Marley

Gravadora adquiriu direitos de 13 canções do músico

Cantor não havia assinado as músicas, mas atribuiu autoria a outros <br /><b>Crédito: </b> Facebook / Reprodução / CP
Cantor não havia assinado as músicas, mas atribuiu autoria a outros
Crédito: Facebook / Reprodução / CP
Cantor não havia assinado as músicas, mas atribuiu autoria a outros
Crédito: Facebook / Reprodução / CP

Um tribunal de Londres decidiu nesta quarta-feira que a gravadora Blue Mountain é a proprietária dos direitos de 13 canções de Bob Marley, entre elas "No Woman, No Cry". A Cayman Music lutava pelos direitos das músicas do cantor jamaicano.

As duas gravadoras reclamavam os direitos das canções, compostas entre 1973 e 1976, quando Marley trabalhava para ambas. Para complicar ainda mais a disputa, ele não assinou as músicas, mas atribuiu sua autoria a outros.

Assim, o crédito por "No Woman, No Cry" foi para Vincent Ford, segundo algumas versões para evitar obrigações contratuais ou para garantir que seu amigo de infância tivesse recursos para suas instituições de caridade.

Os direitos desta música em particular valem milhões, indicaram as partes durante o julgamento. As outras canções em disputa são "Crazy Baldhead", "Johnny Was", "Natty Dread", "Positive Vibration", "Rat Race", "Rebel Music (Block Road)", "Talking Blues", "Them Belly Full", "Want More", "War", "Who The Cap Fit" e "So Jah She".

Em 1992, onze anos após a morte de Marley, Cayman e Blue Mountain assinaram um acordo para que a segunda gravadora continuasse com o catálogo do cantor. Mas a Cayman argumentava que estas 13 canções não faziam parte do acordo, o que a Blue Mountain ignorou.

O advogado da Blue Mountain, Ian Mill, afirmou que não havia nenhuma razão para deixar de fora algumas músicas e que "a intenção clara" do acordo de 1992 era "a transferência de todos os direitos".

Assista ao vídeo:


Bookmark and Share


Fonte: AFP






O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.