Correio do Povo | Notícias | Escolas de samba farão desfile independente no carnaval de Porto Alegre

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 19 de Janeiro de 2019

  • 10/01/2019
  • 13:03
  • Atualização: 16:05

Escolas de samba farão desfile independente no carnaval de Porto Alegre

Evento será realizado nos dias 15 e 16 de março, no Porto Seco

  • Comentários
  • Júlia Endress

Escolas de samba de Porto Alegre oficializaram, na manhã desta quinta-feira, a realização de um desfile de carnaval independente para 2019. O evento será realizado nos dias 15 e 16 de março, no Porto Seco.

Ao todo, 16 entidades carnavalescas desfilarão nestas duas datas, incluindo seis escolas do grupo Ouro - Bambas da Orgia, Estado Maior da Restinga, Imperadores do Samba, Imperatriz Dona Leopoldina, Império da Zona Norte e União da Vila do IAPI. Somam-se a elas nove escolas dos grupos Prata e Bronze: Academia de Samba Praiana, Academia de Samba Puro, Império do Sol (São Leopoldo), Copacabana, Realeza, Unidos da Vila Mapa, Unidos de Vila Isabel (Viamão), União da Tinga e Fidalgos & Aristocratas. A tribo carnavalesca Os Comanches também vai participar.

Em coletiva de imprensa, os presidentes das seis agremiações da série Ouro e o presidente da União das Entidades Carnavalescas do Grupo de Acesso de Porto Alegre (Uecgapa), Arlindo Mença, o Baia, explicaram que o evento será mais simples, adequado à atual conjuntura financeira. O desfile, no entanto, manterá o caráter competitivo, com três jurados para cada um dos sete quesitos: Bateria, Harmonia musical, Samba-enredo, Evolução, Tema enredo, Fantasia e Mestre Sala & Porta Bandeira.

O quesito Alegorias, que existia nas edições anteriores, não será considerado para avaliação em função do alto custo e da falta de tempo para as entidades prepararem seus carros alegóricos. Com isso, ideia da organização é promover um “carnaval de chão”, destacando os integrantes das escolas e suas fantasias.

Entre as obrigatoriedades dos desfiles estão estandarte, passistas e tempo de desfile. Outras, como o número de ritmistas na Bateria e na Comissão de frente, por exemplo, foram retiradas para evitar um grande custo financeiro para as escolas.

A ordem e os horários dos desfiles serão definidos em evento no dia 25 de janeiro, na quadra da Imperatriz Dona Leopoldina. Até o momento, o que se sabe é que eles serão mistos, com escolas de todas as séries desfilando nos dois dias. As escolas também realizarão outros eventos pré-carnaval, mas não há previsão de Descida da Borges, por questões financeiras. A corte do ano passado será mantida.

Foto: Alina Souza

“Nós Somos a Resistência do Samba”

Lembrando o lema da Imperadores do Samba, “Nós Somos a Resistência do Samba”, e um Samba da Estado Maior da Restinga, “quem gosta de nós somos nós”, o presidente da Imperadores, Érico Leoti, destacou que o evento só será realizado com o apoio da comunidade carnavalesca. “O Carnaval de Porto Alegre nunca precisou tanto de pessoas que amam e são apaixonadas pelo Carnaval”, avaliou, pedindo mobilização para a venda de camarotes.

Isso porque, conforme apresentado na coletiva, a verba total para a realização dos desfiles, estimada em cerca de R$ 170 mil, virá da venda desses 190 camarotes. A comercialização começa já no dia 21 de janeiro, nas Faculdades Anhanguera, no campus Centro. Esses espaços possuem 12 m² e capacidade para até 18 pessoas, e serão vendidos entre R$ 800 e R$ 1.500, dependendo da localização na passarela. Apesar disso, os organizadores seguem buscando outras fontes de receita, como parcerias comerciais e leis de incentivo à cultura.

Leoti lembrou que as escolas esperaram nos últimos anos tanto o posicionamento da prefeitura como a parceria com iniciativas privadas, o que não aconteceu até o momento. Em virtude disso, as entidades se juntaram e decidiram realizar o carnaval por conta própria.

Os organizadores também ressaltaram que não possuem problema e nem romperam com a Liga Independente das Escolas de Samba de Porto Alegre (Liespa), que não esteve representada no evento. Segundo eles, a mobilização para a realização do desfiles surgiu porque a entidade “não estava atendendo aos interesses das escolas”, que é o de realizar o evento dessa forma mais simples.