Correio do Povo | Notícias | Oscar deverá quebrar tradição e ainda redimir Warren Beatty

Porto Alegre

8ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 24 de Maio de 2018

  • 12/02/2018
  • 09:59
  • Atualização: 11:57

Oscar deverá quebrar tradição e ainda redimir Warren Beatty

90ª premiação ocorre em 4 de março

Na edição passada, apresentadores do Oscar receberam envelope errado | Foto: Kevin Winter / Getty Images North America / AFP / CP

Na edição passada, apresentadores do Oscar receberam envelope errado | Foto: Kevin Winter / Getty Images North America / AFP / CP

  • Comentários
  • AE

O Oscar festejará sua 90ª premiação, no dia 4 de março, quebrando regras. Afinal, o ator vitorioso do ano passado, Casey Affleck, não entregará a estatueta de melhor atriz, como manda a tradição - acusado de ter abusado sexualmente de Amanda White e Magdalena Gorka, respectivamente a produtora e a diretora de fotografia que trabalharam com ele no falso-documentário "Eu Ainda Estou Aqui", em 2010. Affleck anunciou que não irá à festa, poupando a Academia de um mal estar.

Também não serão vistos o produtor Harvey Weinstein e o ator Kevin Spacey, outrora figuras carimbadas da cerimônia. Ambos também são acusados de assédio. A Academia vai apostar em seus melhores talentos, por isso apoiará, ainda que veladamente, manifestações de protestos de atrizes que, no Globo de Ouro, em janeiro, vestiram-se todas de preto.

Outro momento esperado será o discurso de abertura a ser feito pelo apresentador Jimmy Kimmel. Muito admirado pela indústria por sua forma direta e humana com que trata questões delicadas, Kimmel deverá ser brincalhão mas sem abrir mão de uma boa dose de acidez ao falar de figuras como Weinstein e Spacey.

Por falar em discurso, é esperada uma enxurrada de afirmações incisivas por parte dos ganhadores - os organizadores calculam que 75% dos agradecimentos sejam de citações de nomes que ajudaram os vencedores (principalmente familiares), mas os demais 25% deverão ter um pesado tom de protesto, do qual não deverá escapar nem o controverso presidente Donald Trump.

E, em sua política de total transparência, a Academia deverá falar do grande erro que marcou a cerimônia do ano passado, quando uma troca de envelopes anunciou "La La Land" como o filme do ano quando, na verdade, o mérito era de Moonlight. Os organizadores cogitam trazer o veterano ator Warren Beatty novamente ao palco, dessa vez em uma situação mais cômoda, isentando-o de qualquer culpa. Aliás, depois do erro grosseiro, a PricewaterhouseCoopers,

responsável pela apuração dos votos, anunciou que terá mais pessoas nos bastidores cuidando da abertura dos envelopes.


TAGS » Cinema, Oscar, 2018