Correio do Povo | Notícias | "Deadpool 2" retoma aventuras do anti-herói com muito mais deboche

Porto Alegre

19ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 25 de Setembro de 2018

  • 17/05/2018
  • 06:46
  • Atualização: 14:00

"Deadpool 2" retoma aventuras do anti-herói com muito mais deboche

Filme com Ryan Reynolds estreia nesta quinta-feira nos cinemas

Deadpool 2 retorna aos cinemas com muito mais deboche  | Foto: Divulgação / CP

Deadpool 2 retorna aos cinemas com muito mais deboche | Foto: Divulgação / CP

  • Comentários
  • Lou Cardoso

Dizem que é na dor que encontramos amadurecimento e motivações para seguir em frente. Por incrível que pareça em "Deadpool 2" o anti-herói parece ter encontrado um caminho para trilhar. Dirigido por David Leitch, o longa que estreia nesta quinta-feira retoma as aventuras desbocadas e sujas de Deadpool (Ryan Reynolds) que forma a sua própria equipe de mutantes na esperança de salvar o jovem Russell (Lewis Tan) do soldado viajante do tempo Cable (Josh Brolin).

E assim como no primeiro filme, esta sequência está recheada de referências do mundo pop e da própria Marvel, o que mostra o quanto o roteiro se apega a estes conteúdos para não deixar a peteca humorística cair. Os diálogos sagazes e rápidos são os maiores responsáveis pelo pique do filme do que necessariamente o enredo principal, que querendo ou não, beira ao comum.

O tom de "Deadpool 2" está muito mais preocupado em ser engraçado do que politicamente correto e o filme conquista muito mais pelo descompromisso com o seu universo. Se alguma coisa não faz sentido ou simplesmente dá errado, ele instantaneamente assume a ficção que está inserido. Se, por exemplo, em Vingadores: Guerra Infinita existe uma dramaticidade em querer salvar o mundo, Deadpool está pouco se importando com seriedade e na luta incansável pela justiça.

Mas também ser este mercenário que não poupa a vida de ninguém tem as suas consequências traumáticas. O que leva o personagem ter o seu fundo do poço para finalmente entender as mensagens subliminares que o "roteiro fraquinho", como ele mesmo define, lhe direciona. É neste ponto que o personagem, talvez, tem a sua transformação pessoal para dar sentido a sua permanência na Terra. Porém, o desfecho é levemente decepcionante pois parece ser uma tentativa de virada que invalida tanto a nossa quanto a experiência de Deadpool nesta aventura.

Não existe Deadpool sem Ryan Reynolds e vice-versa. Nesta sequência, o ator só confirma ainda mais a genialidade deste "match" nas telas que dificilmente outra pessoa conseguiria unir o carisma e a sacanagem que o papel pede. O restante do elenco é formidável. Principalmente pela grande diversidade que a história oferece e sem qualquer problematização. Aqui vai desde do adolescente gordinho que reclama da falta de representação nos quadrinhos até o casal de lésbicas que oscila entre amor e ódio ao Deadpool.

Os maiores destaques ficam com Josh Brolin, que mesmo sendo o principal vilão, arranca risos e suspiros, e também com a integrante do X-Force, Dominó (Zazie Beetz), com o seu super-poder chamado sorte. Sim, o fato dela ser sortuda é o que salva todos nesta história.

Deadpool 2" manteve o mesmo nível de entretenimento do seu antecessor, e mesmo sem o terceiro filme confirmado, já deixou o público ansioso para desvendar mais uma das suas loucuras. Com muito mais sarcasmo e deboche, Deadpool continua divertindo sem qualquer compromisso.