Correio do Povo | Notícias | Museu de Arte Contemporânea do RS inaugura duas novas mostras

Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 19 de Janeiro de 2019

  • 23/10/2018
  • 13:05
  • Atualização: 13:27

Museu de Arte Contemporânea do RS inaugura duas novas mostras

"Mukabata" e "Territórios Adulterados" podem ser conferidas até 21 de novembro

Fotógrafo de Florianópolis apresenta

Fotógrafo de Florianópolis apresenta "Mukabata" | Foto: Eneléo Alcides / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

O Museu de Arte Contemporânea do RS (MACRS) abre nesta terça-feira, a partir das 19h, duas novas mostras em seus espaços, localizados no 6º andar da Casa de Cultura Mario Quintana (Andradas, 736), em Porto Alegre. Com visitação até 21 de novembro, as exposições podem ser conferidas de terças a sextas, das 9h às 18h30min, e aos finais de semana e feriados, das 12h às 18h30min.

“Mukabata” deriva dos termos “Muka” (amargo) e “Bata” (doce), elementos e forças transformadoras, com poder de curar e matar. O conjunto de fotografias e vídeos de Eneleo Alcides foram capturados nos altos dos rios Tarauacé e Jordão, fronteira do Brasil com o Peru, na Amazônia Ocidental. O olhar estrangeiro lançado sobre um grupo nativo de origem pré-colombiana, expondo suas familiaridade e o estranhamento provocado pelo encontro inter-étcnico e da improbabilidade dessa comunicação é o mote da exposição, de acordo com Eneleo. Do genocídio à tutela, do mito do selvagem ao mito da preservação da originalidade dos povos, esses encontros, necessários, ainda ocorrem com incomunicabilidades de idiomas, valores e perspectivas.

Já “Territórios Adulterados” é a mostra individual de Helena d’Avila, com curadoria de Ana Zavadil. São 21 trabalhos, com um recorte da obra da artista, que desde o final dos anos 1990 se dedica à pintura. “O cenário criado é para ser usufruído pelos sentidos e exige uma imersão nas profundezas, ou seja, não basta só olhar, já que a obra não existe sem esse; o espaço é fenomenológico, pois os sentidos são parte fundamental para a apreensão da obra”, diz Ana, curadora da mostra, cujos trabalhos são feitos a partir da apropriação e da colagem.