Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 21 de Abril de 2018

  • 15/12/2017
  • 10:01
  • Atualização: 12:46

Atriz sul-coreana denuncia abusos do premiado diretor Kim Ki-Duk

Artista teria passado de filme "Moebius" e preferiu manter a identidade anônima

Oculta atrás de biombo, atriz sul-coreana acusou o conhecido diretor de cinema Kim Ki-Duk de agredi-la sexualmente | Foto: Jung Yeon-Je / AFP / CP

Oculta atrás de biombo, atriz sul-coreana acusou o conhecido diretor de cinema Kim Ki-Duk de agredi-la sexualmente | Foto: Jung Yeon-Je / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

Oculta atrás de um biombo branco, uma atriz sul-coreana acusou o conhecido diretor de cinema Kim Ki-Duk de agredi-la sexualmente durante uma filmagem, uma denúncia muito pouco comum em um país extremente conservador e onde as vítimas temem a vergonha pública. Kim é um dos cineastas mais proeminentes da Coreia do Sul e seu currículo inclui um Leão de Ouro no Festiva de Veneza por "Pieta" e um Urso de Ouro no Festival de Berlim por "Samaritan Girl". Kim é conhecido por contratar atrizes pouco conhecidas.

Mas a atriz, que pediu para manter o anonimato, afirmou aos jornalistas que sua participação no filme "Moebius" (2013) - um thriller sobre o incesto - a deixou "profundamente traumatizada". Ela acusou Kim de abusos físicos e sexuais, afirmando que ela bateu nela durante as filmagens e a obrigou a fazer cenas de nudez e sexo que não estavam no roteiro. "Estava morrendo de medo. Tinha medo que voltasse a me pegar se dissesse algo contra ele", declarou. Por fim, ela acabou não aparecendo no filme, o que pôs fim a sua carreira de 20 anos como atriz. Durante muito tempo buscou ajuda de advogados, que sugeriram que ela esquecesse o caso.

No entanto, conseguiu apresentar uma denúncia e, na semana passada, Kim, de 56 anos, foi condenado a pagar 4.600 dólares por agressão física. No entanto, outras acusações foram arquivadas, incluindo a de assédio sexual por alegação de falta de provas. Sua denúncia acontece em um momento em que o movimento "#MeToo" continua expondo em todo mundo casos de agressão e assédio sexual em vários setores da sociedade, principalmente na indústria cinematográfica americana, como os casos envolvendo o megaprodutor Harvey Weinstein e o ator Kevin Spacey.