Correio do Povo | Notícias | Chance The Rapper questiona abordagem racial em "Bright", novo longa da Netflix

Porto Alegre

17ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 17 de Julho de 2018

  • 27/12/2017
  • 16:09
  • Atualização: 16:39

Chance The Rapper questiona abordagem racial em "Bright", novo longa da Netflix

Artista disse que uso de criaturas míticas para representar o racismo na América é superficial

Artista venceu três Grammy Awards em 2017 | Foto: Instagram / Reprodução / CP

Artista venceu três Grammy Awards em 2017 | Foto: Instagram / Reprodução / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

O cantor Chance The Rapper, vencedor de três Grammy Awards em 2017, incluindo o de revelação do ano, usou o Twitter para criticar "Bright", novo filme da Netflix. O norte-americano perguntou a seus seguidores o que eles pensavam sobre o linchamento de ogros no longa estrelado por Will Smith, e um fã respondeu que era uma exata representação das injustiças sociais que as minorias enfrentam. Entretanto, o artista argumentou que o uso de "criaturas míticas" para representar as questões raciais da América era "um pouco superficial".

• Roteirista de "Bright", Max Landis é acusado de assédio sexual

"Eu sempre me sinto um pouco enganado quando vejo racismo alegórico nos filmes porque ele geralmente decorre da emoção humana ou da tolerância, mas não por lei ou sistemas da maneira que é na vida real. Os personagens em #Bright vivem em uma linha de tempo onde o racismo se foi ... porque odiamos os ogros agora". Outro usuário sugeriu que talvez a obra não pretendesse despertar tanto debate e discussão profunda, mas que, em vez disso, foi criado como apenas com uma "história interessante".

Chance admitiu que ele tentou inicialmente assistir ao título como apenas outro filme, mas isso mudou rapidamente quando ele ouviu o personagem de Will Smith (oficial de polícia Daryl Ward) dizer "Fairy Lives Do Not Matter" ("As vidas das fadas não importam"), uma alusão ao movimento "Black Lives Matter".

“Bright” é ambientado em uma realidade paralela, na qual humanos, elfos e orcs coexistem, mas esses útlimos são marginalizados e rechaçados pelos demais. Neste contexto, Will Smith vive Daryl Ward, um humano que recebe a tarefa de ser parceiro de Nick Jakoby (Joel Edgerton), o primeiro orc a se tornar policial. Uma noite, durante uma patrulha, a nova dupla encontra um artefato mágico que tem poder para destruir o mundo. Eles, então, terão que fazer o trabalho conjunto funcionar para protegê-lo de seus inimigos.