Correio do Povo | Notícias | Diretor alemão Dieter Wedel é acusado de assédio sexual e estupro

Porto Alegre

10ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 17 de Junho de 2018

  • 04/01/2018
  • 14:09
  • Atualização: 14:55

Diretor alemão Dieter Wedel é acusado de assédio sexual e estupro

Três atrizes fizeram denúncias contra o renomado cineasta no jornal Die Zeit

Wedel rejeitou as acusações, afirmando que nunca teve tal comportamento | Foto: Swen Pförtner / Arquivo AFP / CP

Wedel rejeitou as acusações, afirmando que nunca teve tal comportamento | Foto: Swen Pförtner / Arquivo AFP / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Três atrizes alemãs afirmaram ao jornal Die Ziet que foram vítimas de assédio de Dieter Wedel, um dos mais conhecidos e bem-sucedidos diretores da Alemanha, com mais de 32 produções televisas no currículo. As denúncias acusam o homem de 75 anos de tentar estrangular Patricia Thielemann, em 1991, e estuprar Jany Tempel, em 1996. Há ainda um terceiro caso, relatado por uma mulher que preferiu o anonimato, que contou que foi intimidada no set após negar investidas sexuais. 

Patricia Thielemann disse que Wedel tentou arragará-la em um quarto de hotel em 1991 e, ao perceber que ela não queria nada com ele, lançou-se para cima dela numa tentativa de estrangulá-la. Ela lutou e conseguiu escapar. Já Jany Tempel afirmou que conheceu o homem em seu quarto de hotel em Munique, em 1996, quando deveria fazer um teste de elenco. Ela contou ao Die Zeit que o cineasta, vestindo um roupão de banho, a agarrou e a empurrou contra a parede. Quando ela pediu que ele parasse, ele a jogou na cama e a estuprou.

A terceira mulher revelou que suas recusas às tentativas de aproximação sexual do diretor e resultaram em intimidação no set de gravações. Esta é a primeira vez desde o caso do produtor Harvey Weinstein que acusações de assédio afetam diretamente a indústria de entretenimento alemã. Wedel as rejeitou categoricamente em um texto publicado no mesmo jornal. Ele contou ter tido um affair com Jany, mas negou que a tenha forçado a fazer sexo. Para as reivindicações de intimidação psicológica, admitiu "falar alto", mas refutou que suas ações estejam relacionadas a uma possível "vingança".

O advogado de Wedel emitiu uma declaração no site do Festival de Teatro Bad Hersfelder, dirigido por seu cliente desde 2015, chamando as alegações de "imprecisas e injustificadas". "Nosso cliente lamenta que, ao longo de seus muitos anos, como produtor e diretor, expôs atores e atrizes, em particular no cenário, às críticas às vezes difíceis e até prejudiciais", escreveu Michael Philippi. "Nunca houve conexão (entre esse comportamento) e esses supostos ataques", finalizou.

Em novembro, Wedel disse em uma entrevista a uma estação de rádio que homens também foram expostos a assédios. "Quando comecei no teatro, sempre fui considerado gay. Os diretores e atores gays me pressionaram muito, mas eu não caí - e tampouco quebrei", disse. Entre seus trabalhos mais relevantes estão "The Great Bellheim", "The King of St. Pauli", "The Shadow Man" e "Greed".