Correio do Povo | Notícias | Morre o escritor e historiador argentino Osvaldo Bayer

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 19 de Janeiro de 2019

  • 25/12/2018
  • 08:36
  • Atualização: 08:38

Morre o escritor e historiador argentino Osvaldo Bayer

Intelectual foi o principal pesquisador dos eventos ocorridos na chamada Patagônia trágica, sobre a resistência sindical no sul da Argentina

Morre o escritor e historiador argentino Osvaldo Bayer | Foto: Reprodução / Facebook / CP

Morre o escritor e historiador argentino Osvaldo Bayer | Foto: Reprodução / Facebook / CP

  • Comentários
  • AFP

 O escritor, historiador e jornalista argentino Osvaldo Bayer, morreu nessa segunda-feira aos 91 anos, em Buenos Aires, anunciaram familiares em sua página oficial no Facebook. "Infelizmente, tenho que dar uma triste notícia, faleceu Osvaldo Bayer", escreveram na página. Sua filha, a cineasta Ana Bayer publicou uma mensagem em italiano, alemão e espanhol, em que escreveu "uma notícia muito triste, faleceu meu papai".

O respeitado intelectual, que se considerava "um anarquista e pacifista inveterado", foi o principal pesquisador dos eventos ocorridos na chamada Patagônia trágica, sobre a resistência sindical anarquista de operários e peões, que terminou em um massacre entre 1920 e 1921 nesta região do sul da Argentina.

Seu livro de pesquisas e testemunhos, "Los vengadores de la Patagonia Trágica", escrito no começo da década de 1970, inspirou o filme "A Patagônia Rebelde", de Héctor Olivera (1974), protagonizado pelos atores Héctor Alterio, Federico Luppi, Pepe Soriano e Luis Brandoni, e do qual Bayer foi corroteirista.

As redes sociais repercutiram a notícia, lamentada por organismos de direitos humanos, colegas, partidos e dirigentes de esquerda e centro-esquerda, que despediram "o último dos anarquistas românticos". "O jornalista deve se orientar pela ética, cuidar da verdade e estar sempre ao lado dos que sofrem", escreveu um simpatizante no Twitter, reproduzindo um pensamento do próprio Bayer.

As organizações Anistia Internacional, Mães da Praça de Maio, Avós da Praça de Maio, HIJOS (de desaparecidos), Correpi (contra a violência institucional) foram algumas das que expressaram luto pela morte do escritor.


TAGS » Gente, Argentina