Correio do Povo | Notícias | Natalie Portman explica seu protesto durante o Globo de Ouro

Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de Junho de 2018

  • 21/02/2018
  • 15:01
  • Atualização: 15:29

Natalie Portman explica seu protesto durante o Globo de Ouro

Ao apresentar categoria de Melhor Direção, atriz alfinetou evento por só ter homens concorrendo

Ela também comentou que essa forma de protesto é uma das maneiras que as mulheres têm de causarem desconforto | Foto: Emma McIntyre / AFP / CP

Ela também comentou que essa forma de protesto é uma das maneiras que as mulheres têm de causarem desconforto | Foto: Emma McIntyre / AFP / CP

  • Comentários
  • AE

Em entrevista ao site BuzzFeed, a atriz Natalie Portman falou sobre vários assuntos relacionados à sua carreira e ativismo social, como a campanha "Time's Up" e o filme "Aniquilação", no qual participou com um elenco totalmente feminino. A artista israelense radicada nos Estados Unidos foi questionada sobre o pequeno protesto que fez na apresentação da categoria de melhor diretor no Globo de Ouro, que aconteceu em janeiro. Na ocasião, ela ironizou que só havia homens concorrendo ao prêmio, e disse que pensou em como chamaria a atenção para isso de uma forma elegante e sem menosprezar os indicados.

"Eu falei com algumas das mulheres com quem trabalhei sobre terem me oferecido para apresentar a categoria de direção, mas me senti desconfortável porque ela parecia excluir algumas pessoas que mereciam estar lá", disse Natalie. "E como eu poderia chamar a atenção para isso sem desrespeitar os indicados? Porque não é culpa deles, todos fizeram um excelente trabalho. Você não quer ignorá-los. A questão é: por que não estamos reconhecendo as pessoas que não fazem parte deste grupo exclusivo? Então uma das mulheres recomendou que eu dissesse aquilo, e senti que eu falaria a verdade fazendo aquela declaração", continuou.

Ela também comentou que essa forma de protesto é uma das maneiras que as mulheres têm de causarem desconforto, para fazer com que outras pessoas pensem nas pautas que elas querem passar. "Isso é parte do que devemos fazer. Temos que tornar estranho para as pessoas andarem em um lugar onde nem todos estejam nele. Se você olhar ao redor de uma sala e todos se parecem com você, saia daquela sala. Ou mude essa sala. Seja um restaurante, a escola do seu filho, o seu trabalho - se você olhar ao redor e todos não estiverem no local, mude ele", finalizou.