Correio do Povo | Notícias | Filho defende Gary Oldman de acusações de abuso doméstico feitas pela mãe

Porto Alegre

14ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de Junho de 2018

  • 07/03/2018
  • 16:14
  • Atualização: 16:41

Filho defende Gary Oldman de acusações de abuso doméstico feitas pela mãe

Gulliver, de 20 anos, disse que Donya Fiorentino vive propagando mentiras e é uma pessoa uma pessoa triste e muito perturbada

Gulliver, a madrasta Gisele Schmidt, e Gary Oldman na festa pós-Oscar da Vanity Fair | Foto: Dia Dipasupil / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP / CP

Gulliver, a madrasta Gisele Schmidt, e Gary Oldman na festa pós-Oscar da Vanity Fair | Foto: Dia Dipasupil / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Depois que Gary Oldman foi laureado com Oscar de Melhor Ator por sua atuação em "O Destino de Uma Nação", a ex-mulher do artista, Donya Fiorentino, reviveu as acusações feitas em 2001 contra o então parceiro. “Parabéns, Gary. E Parabéns para a Academia por premiar, não um, mas dois abusadores. O que aconteceu com o movimento #metoo?”, questionou a modelo ao site Daily Mail, se referindo ao ex-marido e ao jogador Kobe Bryant, que levou o Oscar de melhor curta de animação com “Dear Basketball”. Ela acusa Oldman de abuso físico e emocional durante o casamento, incluindo uma agressão com um telefone na frente dos filhos, a qual ele afirma que foi acidental.

Gulliver Oldman, filho do casal, escreveu uma carta aberta em defesa de seu pai sobre as acusações de violência doméstica, na qual evidencia que nenhum "abusador teria ganhado a guarda dos filhos". No documento postado nas redes sociais, o jovem de 20 anos se referiu ao pai como "seu herói" e "o homem que ele aspira ser". "Tem sido preocupante e doloroso ver que essas falsas alegações contra o pai foram escritas novamente, especialmente depois de tudo isso ter sido resolvido há anos. Há boas razões para que esses artigos específicos e acusações tenham diminuído anos atrás. Para mim, é desagradável que os chamados 'jornalistas' tenham se disponibilizados se espalhar e perpetuar a mentira", afirma no início do texto.

"Eu cresci no mundo que estamos acostumados agora, onde as pessoas são culpadas até serem comprovadas inocentes. É uma vergonha ver esse jornalismo caça-cliques ou julgamento por título sendo usado para fazer com que as pessoas tirem conclusões sem receber toda a gama de fato que pode ser detalhado em uma peça, seja ele em linha ou de outra forma. No caso do meu pai, há apenas inocência. Nunca houve culpa. A realidade é confundida em trechos e publicada em poucas verdades de anos atrás. Infelizmente, com todo o coração, tudo isso é revisado em uma entrevista muito recente de minha mãe por um repórter no Daily Mail --- apesar de tudo isso ter sido jogado fora e desacreditado como falso anos atrás", continua. Ele ainda diz que escrever uma carta é uma prova direta de que Oldman não é culpado de nada.

"A custódia das crianças não é dada a um homem que bate em mulheres, e na maioria das circunstâncias, quase nunca a um homem. O fato de ter vivido, em tempo integral com meu pai, deveria ser em si mesmo, prova suficiente. Meu pai é minha única e verdadeira luz guia. Meu único herói. Ele é o homem que eu espero um dia me tornar. Queria poder ter metade de sua grandiosidade e pureza. Recebi as boas graças de sua paternidade como uma criança para ser criada por ele e somente ele. Por isso sou eternamente grato a cada hora de todos os dias. Devo-lhe o mundo e devo-lhe a minha vida", diz, em um trecho passional. "Se falar coisas ruins publicamente de minha mãe é algo que parece que eu gosto, ou estou acostumado, esse não é o caso. Ela tem sido uma pessoa triste e muito perturbada a maior parte de sua vida. Sim, ela me trouxe para este mundo. No entanto, ela não me ensinou como fazer parte dele".

"Esta mentira, todas as suas mentiras, as coisas que ela tem perpetuado e vivido como "sua verdade" - tudo isso provocou tanta dor e dificuldades para meu pai e para todos nós, sua família unida. Meu irmão e eu, ambos, desempenhamos o papel de peão em numerosas ocasiões ao longo de nossas vidas em um grande jogo que nossa mãe tentou desesperadamente jogar contra o nosso pai", argumentou. Gulliver também afirma ser um apoiador de movimentos como o Time's Up e o #MeToo, e, por isso, quer que as coisas sejam esclarecidas; "eu estava lá no momento do 'incidente', então eu gostaria de tornar isso brilhantemente claro: não aconteceu. Quem diz isso está mentindo".

O jovem ainda explica que há sete anos deixou de falar com a mãe porque percebeu que manter um relacionamento com ela prejudicaria seu futuro. "Quero apenas proteger o caráter de meu pai, como pessoa e como ator. Eu sei que ele é um homem maravilhosamente amável, talentoso. Um homem que não trocaria nada pelo amor e pela felicidade de sua família. Esse tormento deveria ter terminado há 16 anos. Em um ano tão importante para sua carreira, meu pai deve finalmente poder se divertir. A única maneira de conseguir isso é parar de repetir, parar de compartilhar e deixar de acreditar nas mentiras", finaliza.