Correio do Povo | Notícias | Mulher de Bill Cosby defende marido contra "linchamento" público

Porto Alegre

14ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 19 de Setembro de 2018

  • 03/05/2018
  • 13:23
  • Atualização: 13:55

Mulher de Bill Cosby defende marido contra "linchamento" público

Camille Cosby emitiu comunicado de três páginas em reação à condenação do ator

Bill e Camille enquanto se encaminhavam ao julgamento | Foto: Dominick Reuter / AFP / CP

Bill e Camille enquanto se encaminhavam ao julgamento | Foto: Dominick Reuter / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

A mulher de Bill Cosby rompeu seu silêncio, nesta quinta-feira, em uma dura reação contra a condenação de seu marido por agressão sexual e culpou a imprensa, os procuradores e a acusadora por seu "linchamento" público. "No caso de Bill Cosby, acusações sem provas evoluíram para linchamentos", denunciou Camille Cosby, em um comunicado de três páginas, no qual evoca a condenação de outros homens negros que eram inocentes, além de denunciar o racismo contra seu marido.

"Mais uma vez, uma pessoa inocente foi declarada culpada com base em uma histeria sem questionamento, impensada, inconstitucional, propagada pela mídia", denunciou. "Isso é um linchamento, não é justiça real. Esta tragédia deve ser resolvida não apenas por Bill Cosby, mas pelo país", completou.

Há uma semana, após 14 horas de discussões, um júri da Pensilvânia declarou o ator americano Bill Cosby, de 80 anos, culpado de drogar e agredir sexualmente Andrea Constand, de 45, em janeiro de 2004. Casada com o ator há mais de 50 anos e mãe de seus cinco filhos, Camille pediu "uma investigação penal do procurador e de seus lacaios", disse ela à imprensa, referindo-se à "demonização impiedosa" do marido e à "aceitação sem reparos das denúncias das acusadoras".

Também acusou Andrea de mentir sob juramento na corte. O comediante corre o risco de ser sentenciado a uma pena máxima de 30 anos de prisão. Um primeiro julgamento realizado no ano passado, poucos meses antes do surgimento do movimento #MeToo contra o abuso sexual, foi anulado, depois que o júri fracassou em alcançar um veredicto unânime após 52 horas de deliberações.

Ícone da televisão americana e adorado por milhões por seu papel como o afável pai de família no bem-sucedido "The Cosby Show" (1984-1992), Bill anunciou que apelará da condenação. Ele está em prisão domiciliar após pagar fiança de um milhão de dólares.

Cerca de 60 mulheres que foram, no passado, aspirantes a atrizes ou modelos, acusaram Bill Cosby publicamente de abuso ou de agressão sexual. O ator foi julgado apenas pela agressão denunciada por Andrea Constand, já que, no caso das demais, o suposto crime teria prescrito. A condenação de Cosby enterrou a carreira de um gigante da cultura popular americana do século XX, filho de uma empregada doméstica que se tornou o primeiro ator negro a ter um papel de protagonista em horário nobre na televisão nos Estados Unidos. Ele também foi o primeiro afro-americano a ganhar um Emmy, em 1966.