Correio do Povo | Notícias | Robert De Niro chama Trump de supremacista branco e faz paralelo com Hitler e Mussolini

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 19 de Janeiro de 2019

  • 06/01/2019
  • 16:38
  • Atualização: 17:02

Robert De Niro chama Trump de supremacista branco e faz paralelo com Hitler e Mussolini

Para o ator, presidente norte-americano é uma vergonha para o país

Robert De Niro chama Trump de supremacista branco | Foto: Valery Hache / AFP / CP

Robert De Niro chama Trump de supremacista branco | Foto: Valery Hache / AFP / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Pouco mais de dois meses após receber uma bomba no correio, enviada por um defensor de Trump, Robert De Niro tornou suas críticas ao presidente norte-americano, afirmando que ele é um racista e supremacista branco. Durante uma entrevista ao jornal britânico The Guardian, o ator vencedor do Oscar chegou a fazer comparações com os líderes nazistas da Alemanha e Itália durante a Segunda Guerra Mundial. “Quer dizer, do jeito que eu entendo, as pessoas riram de Hitler. Todos eles parecem engraçados. Hitler parecia engraçado, Mussolini parecia engraçado e outros ditadores e déspotas parecem engraçados”, disse.

Para De Niro, havia uma expectativa de que Trump mudasse, “mas ele só piorou”. “Isso me mostrou que ele é um verdadeiro racista. Eu pensei que talvez como um nova-iorquino ele entendesse a diversidade na cidade, mas ele é tão ruim quanto eu pensava que ele era antes - e muito pior. É uma vergonha. É uma coisa ruim neste país”. Ele ainda ressaltou que um dos seus filhos é gay e vem sofrendo com ameaças e preconceito.

"O que me incomoda é que haverá pessoas no futuro que o enxergarão como um exemplo e serão afetadas de alguma forma. Temos que realmente resolver o problema com o país e as pessoas que estão insatisfeitas e estão tão chateadas que votam nele pensando que faria a diferença e não enxergam que de forma alguma ele faria essa diferença. Tem que haver uma maneira de as pessoas se unirem, trabalharem e se ajudarem", argumentou o ator.

O norte-americano de 75 anos disse que não se arrepende de seu momento controverso no Tony Awards do ano passado, no qual ele começou a apresentar uma recompensa dizendo: "F *** Trump!". “Essa não é a maneira de fazer as coisas, mas eu senti que isso é algo que deveria dizer porque é básico. Trump é básico. Ele é um cara que apenas pensa que pode abrir a boca e dizer qualquer coisa. Bem, eu quero dizer a mesma coisa para ele: há pessoas que vão dizer a mesma coisa para você, não importa quem você seja”, completou.