Correio do Povo | Notícias | Academia decide nesta sexta se Nobel de Literatura será adiado ou não

Porto Alegre

15ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 14 de Agosto de 2018

  • 03/05/2018
  • 12:34
  • Atualização: 12:40

Academia decide nesta sexta se Nobel de Literatura será adiado ou não

Em meio à crise desencadeada por escândalo sexual, 2018 pode não ter um laureado

Comunicado será emitido após reunião na sexta-feira | Foto: Jonathan Nackstrand / AFP / CP

Comunicado será emitido após reunião na sexta-feira | Foto: Jonathan Nackstrand / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

A Academia Sueca anunciará na sexta-feira se adiará a atribuição do Prêmio Nobel de Literatura 2018, declarou sua diretora administrativa, em meio à crise desencadeada pela relação deste prêmio com um indivíduo acusado de agressões sexuais. Quando perguntada se a Academia anunciaria na sexta-feira se haverá ou não um laureado de Literatura este ano, Louise Hedberg indicou à rádio sueca: "Sim, é verdade. Não haverá uma conferência de imprensa, mas enviaremos um comunicado". Tal comunicado de imprensa será publicado "o quanto antes", após uma reunião dos membros da Academia, acrescentou. Contatada pela AFP, Hedberg não estava disponível para comentar o assunto.

Em novembro passado, 18 mulheres acusaram uma conhecida personalidade da cultura francesa, com quem a prestigiosa instituição tinha vínculos estreitos, de violência e/ou assédio sexual. Diante das circunstâncias, sete de um total de 18 membros renunciaram, incluindo a secretária permanente, Sara Danius. Estes 18 membros estão designados de forma vitalícia e não podem renunciar, mas podem optar por não participar de suas reuniões e decisões.

Este escândalo provocou especulações nos meios de comunicação sobre o destino do prêmio de Literatura, que foi entregue no ano passado ao autor britânico-japonês Kazuo Ishiguro, e em 2016 ao cantor e compositor americano Bob Dylan. O rei da Suécia, Carlos XVI Gustavo, que é o principal responsável da Academia fundada em 1786, concordou em modificar os estatutos para permitir que os membros renunciem e sejam substituídos, assegurando assim a sobrevivência desta instituição.