Correio do Povo | Notícias | Após escândalo sexual, Nobel de Literatura 2018 fica para 2019

Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 15 de Outubro de 2018

  • 04/05/2018
  • 07:03
  • Atualização: 07:17

Após escândalo sexual, Nobel de Literatura 2018 fica para 2019

Jean-Claude Arnault, influente figura da cena cultural sueca, foi acusado de abuso por 18 mulheres

Academia Sueca já suspendeu o prêmio sete vezes | Foto: Jonathan Nackstrand / AFP / CP

Academia Sueca já suspendeu o prêmio sete vezes | Foto: Jonathan Nackstrand / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

A Academia Sueca anunciou, nesta sexta-feira, que o Prêmio Nobel de literatura 2018 será concendido no ano que vem, pela primeira vez em quase sete décadas, devido a um escândalo de estupro e agressões sexuais. "O Prêmio Nobel 2018 de Literatura será designado e anunciado ao mesmo tempo que o premiado de 2019", anunciou a instituição em um comunicado.

Fundada em 1786, a Academia Sueca já suspendeu o prêmio sete vezes: em 1915, 1919, 1925, 1926, 1927, 1936 e 1949. "Em cinco dessas ocasiões, o prêmio foi adiado e entregue ao mesmo tempo que o prêmio do ano seguinte", afirmou a Academia em um comunicado.

A instituição está mergulhada em uma crise desde novembro, quando, no contexto da campanha mundial contra os abusos sexuais, o jornal sueco Dagens Nyheter publicou os testemunhos de 18 mulheres que afirmavam terem sido violentadas, agredidas sexualmente, ou assediadas por Jean-Claude Arnault, uma influente figura da cena cultural sueca.

Arnault, marido francês da poetisa e membro da Academia Katarina Frostenson, negou as acusações. Essas revelações semearam polêmica e discórdia entre os 18 membros da Academia sobre como reagir e, nas últimas semanas, seis deles decidiram renunciar, incluindo a secretária permanente Sara Danius.

"Os membros ativos da Academia Sueca estão, é claro, plenamente conscientes de que a atual crise de confiança representa um importante desafio em longo prazo e requer um trabalho sólido de reforma", afirmou o presidente permanente interino, Anders Olsson, citado no comunicado. "Acreditamos que seja necessário destinar tempo para recuperar a confiança pública na Academia antes que se possa anunciar o próximo ganhador", afirmou.