Correio do Povo | Notícias | Vendas de músicas nos EUA voltam a aumentar graças ao streaming

Porto Alegre

11ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de Junho de 2018

  • 04/01/2018
  • 12:45
  • Atualização: 13:21

Vendas de músicas nos EUA voltam a aumentar graças ao streaming

Impulsionado pelo Spotify, consumo total cresceu 12,8% em volume em 2017

Serviços de streaming superaram os downloads em plataformas como iTunes | Foto: Spotify Brasil / Facebook / Reprodução / CP

Serviços de streaming superaram os downloads em plataformas como iTunes | Foto: Spotify Brasil / Facebook / Reprodução / CP

  • Comentários
  • AFP

As vendas de músicas voltaram a crescer em 2017 nos Estados Unidos, aproveitando o auge dos serviços por streaming, anunciou nesta quarta-feira a empresa especializada BuzzAngle Music. O consumo total de música cresceu 12,8% em volume no ano passado no maior mercado do mundo, triplicando o aumento de 4,2% registrado em 2016.

Sob o impulso do grupo sueco Spotify, os serviços de streaming superaram os downloads em plataformas como iTunes, que há alguns anos revolucionaram a indústria da música. Segundo o BuzzAngle Música, a quantidade de músicas ouvidas por meio de streaming diariamente nos Estados Unidos (1,67 bilhão) é quase o triplo dos downloads de música no ano todo (563,7 milhões).

A transmissão de música online aumentou mais de 50% em um ano. Conforme a empresa, mais de 80% das reproduções são de sites por assinatura. Entretanto, nem tudo são flores: muitos artistas se queixam de receber somente uma pequena parcela dos lucros nesse novo cenário. Nesta semana, foi divulgado que o Spotify foi processado em 1,6 bilhão de dólares pela Wixen Music Publishing, que que detém os direitos de músicas de artistas como The Doors, Stevie Nicks, Tom Petty e Neil Young.

O Spotify também enfrenta uma crescente concorrência, com a chegada de serviços oferecidos por gigantes como Apple e Amazon. As vendas de álbuns continuaram caindo em 2017, com a exceção para um suporte: o vinil, que cresceu 20% graças a um renovado afeto dos fãs e colecionadores.

Depois do vinil, outro suporte histórico parece alcançar certa renovação: o cassete. O número de cópias vendidas duplicou em 2017, mas sem superar as 100.000.