Correio do Povo | Notícias | Números de Beyoncé e Kanye West no Tidal foram manipulados, diz jornal

Porto Alegre

23ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 16 de Outubro de 2018

  • 09/05/2018
  • 10:30
  • Atualização: 11:22

Números de Beyoncé e Kanye West no Tidal foram manipulados, diz jornal

Manuseamento teria afetado mais de 1,7 milhão de usuários

Proprietário do Tidal, Jay-Z é marido de Beyoncé | Foto: Divulgação / CP

Proprietário do Tidal, Jay-Z é marido de Beyoncé | Foto: Divulgação / CP

  • Comentários
  • AFP

As estatísticas de Beyoncé e de Kanye West na plataforma de streaming Tidal, propriedade de Jay-Z, teriam sido manipuladas, permitindo aos dois artistas americanos embolsar royalties excessivos. Segundo o jornal norueguês de negócios "Dagens Naeringsliv" (DN), o número de acessos aos álbuns "The Life of Pablo", de Kanye West, e "Lemonade", de Beyoncé, ambos com pré-lançamento no Tidal em 2016, foi inflado por manipulação dos registros dos usuários.

Kanye West é ex-parceiro de Jay-Z. Por meio de sua holding Project Panther, o rapper americano comprou o Tidal, que tem sua origem e mantém suas atividades na Noruega, por 56 milhões de dólares em março de 2015. As revelações do DN significariam que Kanye West e Beyoncé, assim como suas produtoras, abocanharam uma parte indevidamente alta dos royalties redistribuídos pelo Tidal, em detrimento de outros artistas que também estão nessa plataforma de música on-line.

Se confirmado, é um procedimento constrangedor para uma plataforma que prometeu reverter sua receita de forma mais generosa do que seus concorrentes, como Spotify, Apple Music e Deezer. Apoiando-se no Centro de Cibersegurança e de Segurança da Informação (CCIS), o DN fala em mais de 320 milhões de leituras falsificadas de títulos dos dois álbuns em curtos períodos, uma manipulação que teria afetado mais de 1,7 milhão de usuários.

De acordo com o advogado americano Jordan Siev, citado pelo DN, o Tidal nega qualquer manipulação, afirmando que os dados foram roubados e que as informações publicadas pelo manipulaçãojornal estão equivocadas. A plataforma não retornou o contato da AFP.