Correio do Povo | Notícias | Banderas vive "imensa responsabilidade" ao encarnar Picasso

Porto Alegre

13ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 25 de Junho de 2018

  • 07/02/2018
  • 11:16
  • Atualização: 13:06

Banderas vive "imensa responsabilidade" ao encarnar Picasso

Série de televisão para National Geographic está programada para estrear em 24 de abril nos EUA

Série de televisão para National Geographic está programada para estrear em 24 de abril nos EUA | Foto: Divulgação / Facebook / CP

Série de televisão para National Geographic está programada para estrear em 24 de abril nos EUA | Foto: Divulgação / Facebook / CP

  • Comentários
  • AFP

O ator espanhol Antonio Banderas, que grava "Genius Picasso", série de televisão para a National Geographic, encarnando o famoso pintor, declarou à AFP que experimenta "uma imensa responsabilidade" em relação ao "herói de Málaga". Nas filmagens da série, nos estúdios de Budapeste, o ator caracterizado de um Picasso (1881-1973) idoso, lembra que o pintor "nasceu na (sua) terra", em Málaga, a capital da Andaluzia. 

O ator diz que "cresceu à sombra" desta "figura muito imponente" que, segundo ele, é "provavelmente o artista mais importante do século XX". "Quando ia à escola segurando a mão de minha mãe todas as manhãs, atravessávamos a Praça da Merced", onde se encontra a casa onde Picasso nasceu, lembra, em um inglês com um sotaque ibérico encantador. "Sei que serei observado atentamente e criticado", acrescenta com uma risada, "como Picasso sabia ao pintar 'Les demoiselles d'Avignon', obra pela qual alguns queriam matá-lo porque não era adequada para a época".

A série em 10 episódios, programada para estrear em 24 de abril nos Estados Unidos, parece-lhe "um vetor muito interessante" para contar a vida "de tal personagem". Ele passa cinco horas fazendo a maquiagem para se parecer com o Picasso já velho. "Então, devemos nos acostumar a usar essa máscara, as sobrancelhas, esse nariz, para fazer justiça", argumenta ele. Mas a exata semelhança física "não é o maior desafio", ressalta Antonio Banderas. "Não queremos reproduzir um boneco de cera". A exatidão histórica é uma das forças do canal National Geographic, revela.

"Compreender sua verdade"

A maior dificuldade, de acordo com ele, é "entender Picasso", suas escolhas políticas e artísticas, a natureza de suas relações amigáveis e sentimentais. "É preciso ler constantemente entre as linhas, tentando compreender a sua verdade: a complexidade está aí", aponta o ator. A narração da série não é "cronológica", continua, acrescentando que a série começa com o bombardeio nazista da cidade basca de Guernica, em 26 de abril de 1937, para ajudar as tropas nacionalistas espanholas. 

"Estamos fazendo uma espécie de pintura cubista com constantes idas e voltas na existência do todo-poderoso" Picasso". Alex Rich ("Glow", "True Detective") encarna o pintor em seus anos de juventude. "Eu apareço em cena antes dele", conta Banderas. "O velho Picasso está observando sua vida pelo espelho retrovisor". O ator está em contato com Olivier Picasso, o neto do pintor e de Marie-Thérèse Walter, de quem lê "Picasso portrait intimate" (2013), que será lançado em inglês em 8 de março.

"Encarnar o Picasso de Saura"

Antonio Banderas lembra ter jantado uma vez em Los Angeles ao lado de Paloma, a filha que Picasso teve com a artista Françoise Gilot. "Falei com ela em espanhol quando percebi que ela estava fechando os olhos", relata. "Eu pensei: 'Oh meu Deus, eu estou aborrecendo essa mulher!'" Ele, então, atreveu-se a dizer: "Você está cansada, eu estou te aborrecendo?" E Paloma respondeu: "Não mesmo! Quando fecho meus olhos, vejo meu pai (...) ele falava como você". Picasso adere à pele de Banderas, a quem muitos lhe ofereceram o papel.

Além disso, o diretor Carlos Saura prepara um "Picasso e Guernica" que propõe ao ator há alguns anos e que "talvez acabe aceitando". "É uma maneira completamente diferente de abordar Picasso", acrescenta, "ele se concentra nesta pintura excepcional que é 'Guernica'", inspirada pelo bombardeio. Através desta pintura, uma das obras-primas mais famosas do mundo, Saura traz "uma reflexão sobre guerra civil, a violência (...) ele quer fazer uma pintura, literalmente".