Correio do Povo | Notícias | Musical inspirado em "Meninas Malvadas" estreia na Broadway

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 22 de Setembro de 2018

  • 13/03/2018
  • 17:32
  • Atualização: 18:21

Musical inspirado em "Meninas Malvadas" estreia na Broadway

Apresentação teve sessão lotada na noite de segunda-feira e causou histeria entre os fãs

Para manter-se atual, algumas cenas foram adaptadas | Foto: Facebook / Reprodução / CP

Para manter-se atual, algumas cenas foram adaptadas | Foto: Facebook / Reprodução / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Não era uma quarta-feira, mas as atrizes usavam rosa. "Mean Girls", musical inspirado na comédia "Meninas Malvadas”, chegou à Broadway nesta segunda, com muita histeria entre os fãs do filme roteirizado por Tina Fey, lançado em 2004. Após a sessão de inauguração, jovens que não conseguiram assistir à apresentação por não terem ingresso, se reuniram em frente ao August Wilson Theatre, esperando pela saída do elenco para tentarem conseguir um autógrafo. Eles gritavam frases do longa, como “Isso é tão 'barro'!”, “Ela nem estuda aqui!” e, claro, “Ela não pode sentar com a gente!”.

A montagem, com livreto de Tina, composições de pop e hip-hop de Jeff Richmond (seu marido), letras de Nell Benjamin, e direção e coreografia de Casey Nicholaw, passou por um teste na capital norte-americana no ano passado. O jornal The Washington Post o chamou de "uma sacudida de hiper-viciosidade adolescente super-energizada”. Vários pessoas que assistiram ao musical na noite de abertura felicitaram a produção por permanecer verdadeira ao filme, como Jack Smith, de 31 anos. "Tem todos os segredos escondidos que você quer como fã".

Para manter-se atual, algumas cenas foram adaptadas: há piadas sobre o presidente Trump, bem como alguns ajustes para sugerir solidariedade com o movimento #MeToo. Contudo, há a mesma essência, com abordagem de questões como bullying. Violet Young, que completava seu 13º aniversário, disse que pensava que "a mensagem geral era muito poderosa”. "Todas as garotas sofreram bullying, foram intimidadas, passaram por experiências realmente difíceis e todas se juntaram no final quando as mulheres se apoiaram”, analisou.