Correio do Povo

Porto Alegre, 24 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
20ºC
Amanhã
11º 22º


Faça sua Busca


Esportes > Futebol > Inter

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

10/03/2012 20:56 - Atualizado em 10/03/2012 20:57

"Vestiário do Inter é muito sadio", garante Fernandão

Luigi diz que Tinga e Dagoberto não enfrentaram o Santos porque perderam o treino

Fernandão (D) respaldou decisão de Dorival (E)<br /><b>Crédito: </b> Fabiano do Amaral
Fernandão (D) respaldou decisão de Dorival (E)
Crédito: Fabiano do Amaral
Fernandão (D) respaldou decisão de Dorival (E)
Crédito: Fabiano do Amaral

 O diretor de futebol Fernandão defendeu, neste sábado, a postura do técnico Dorival Júnior na polêmica sobre a não-escalação de Dagoberto e Tinga contra o Santos, na última quarta-feira. Ele defendeu a opção do treinador e enfatizou que os métodos utilizados pelo clube se justificam pelos resultados: "O vestiário aqui sempre é muito sadio", destacou. Tinga e Dagoberto voltaram a ser escalados para o jogo deste sábado, contra o Santa Cruz.

"Algumas coisas seguem internamente e vão continuar assim. Aqui as polêmicas não entram de fora para dentro, por isso o Inter conseguiu conquistar tudo que conquistou", analisou o dirigente.

O presidente Giovanni Luigi, por sua vez, explicou a situação. Segundo ele, o técnico optou por não usar os jogadores porque eles não participaram do treino mais importante para a partida da Libertadores, na segunda-feira. Luigi salientou que, qualquer que fosse a decisão de Dorival, defenderia a opinião do seu treinador.

Fernandão frisou que não comentaria mais o assunto, tanto de forma externa como interna. "Está encerrado. Se eu soubesse que algumas dessas explicações ou declarações externas fossem voltar o jogo de lá, seria maravilhoso. Mas não tem como", afirmou.

O diretor ainda ironizou a possibilidade de dar mais explicações à torcida do que ocorre nos bastidores. "Vamos abrir o vestiário, então. Deixar todo mundo entrar e virar uma baderna lá dentro. É por isso que é fechado e restrito, pois algumas normas são internas", disse o diretor.

"Esse método vem de uma aprendizagem de 103 anos. Sempre que se externou muita coisa, colocou em xeque muito do que se resguarda ali dentro, que é a intimidade", ponderou Fernandão. "O mais importante é o time dentro de campo conquistar o que vem conseguindo nos últimos dez anos."


Bookmark and Share


Fonte: Correio do Povo e Rádio Guaíba







O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.