Correio do Povo

Porto Alegre, 20 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
20ºC
Amanhã
16º 24º


Faça sua Busca


Esportes > Futebol > Brasileirão

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

27/12/2013 16:05 - Atualizado em 27/12/2013 16:06

Vasco fracassa na tentativa de impugnar partida contra Atlético-PR

Clube carioca está rebaixado para a Série B do Brasileirão

O Vasco não teve sucesso na tentativa de impugnar a partida contra o Atlético-PR, na Arena Joinville, que culminou com o rebaixamento cruz-maltino à Série B-2014. O pedido do time foi julgado nesta sexta-feira pelo plano do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e os auditores entenderam que ele não procede.

O Vasco argumentou que o árbitro descumpriu o regulamento geral de competições ao levar mais de 60 minutos para reiniciar o jogo, depois do conflito entre torcedores na arquibancada. Mas, por unanimidade, o argumento foi rejeitado.

"O árbitro agiu dentro do regulamento. Ele entendeu que poderia continuar a partida por causa da garantia de segurança. Depois disso, o jogo transcorreu sem maior problema. Quanto ao tempo de reinício, basta olhar o regulamento. O árbitro não é obrigado a suspender a partida depois de 60 minutos de interrupção", argumentou o relator do processo, o auditor Ronaldo Botelho Piacente.

A defesa do Vasco tentou dizer que não havia condições de jogo e que só voltou a campo para não ser punido com W.O. "Aqui, hoje, no STJD tem 125 policiais. Na hora do jogo, não tinha nenhum na arquibancada. A partida não deveria nem ter sido marcada e iniciada. Houve ferida ao Estatuto do Torcedor", afirmou a advogada do clube, Luciana Lopes.

O Atlético-PR, como terceiro interessado, teve a oportunidade de argumentação. O advogado Domingos Moro seguiu a linha da procuradoria, defendendo a negativa ao recurso do Vasco.

"Com uma impugnação de partida, o Vasco quer modificar o resultado. Anular a partida não adianta. Quer transformar a derrota em vitória. Neste caso, não é possível. Não há o requisito do erro de direito. Quem errou? Onde está Wally? Não há Wally", bradou Moro, cujo entendimento foi seguido pelos outros auditores.


Bookmark and Share

Fonte: Lancepress







O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.