Correio do Povo

Porto Alegre, 23 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
21ºC
Amanhã
13º 22º


Faça sua Busca


Esportes > Futebol > Inter

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

16/01/2014 11:44 - Atualizado em 16/01/2014 12:04

Após demissão, Chumbinho nega falta de comprometimento

Ex-diretor colorado questionou justificativa apresentada para sua saída do Inter

Demitido do cargo de gerente de futebol do Inter, Newton Drummond, o Chumbinho, concedeu entrevista à Rádio Guaíba nesta quinta-feira onde falou sobre sua saída do clube. Entre os motivos para a demissão estaria a constatação por parte da direção de falta de comprometimento, justificativa que foi negada pelo agora ex-gerente colorado.

“A justificativa dada foi em relação ao comprometimento. Não vou julgar a justificativa deles. No fundo eu tenho certeza de que não foi por isso. A justificativa não tem sustentação. Se é essa, vamos assim. Não tenho problema nenhum. Volto a dizer que o meu comprometimento com o Inter sempre foi total”, declarou. “Recebi ligações de Gramado. Soube que pessoas históricas no vestiário do colorado choraram pela minha saída, caso do seu Gentil (roupeiro). Se ele chorou, eu tenho tranquilidade total de que o meu trabalho no clube foi bom”, disse.

Entre as insatisfações da direção estaria o fato de Chumbinho ter tirado férias no final de dezembro durante o período em que o clube tentava fechar contratações. Newton Drumonnd argumenta que de Punta del Este, no Uruguai, onde passou o período, participou, por exemplo, da negociação envolvendo a saída do volante Airton. “Tem negociações que os dirigentes tomam para eles. Por exemplo, Alex e Scocco, fiquei sabendo dos detalhes depois que eles estavam contratados. Agora, na saída do Airton, eu estava em Punta e o Roberto Melo (diretor de futebol) me ligou para saber como seria a liberação já que ele estava emprestado. Eu liguei para o diretor do Benfica e ajudei a resolver a situação”.

“Minha ida a Punta estava marcada desde setembro. Falei que tinha marcado de 22 de dezembro a 2 de janeiro, não tem outra época para o executivo sair. Depois vem a pré-temporada e aí sim tem que estar presente acompanhando de perto a apresentação e os primeiros trabalhos do treinador. Se eu não tivesse viajado, será que seguiria no clube?”, questionou.

Chumbinho deixou claro que a decisão de sua saída partiu do vice de futebol Marcelo Medeiros. O ex-diretor, no entanto, demonstrou uma certa insatisfação com o presidente Giovanni Luigi, que o contratou no final de 2012 e não teria entrado contato com ele após a demissão. Para encerrar, Newton Drummond critico a forma que é tratado o processo de profissionalização no futebol do Inter e e de outros clubes do Brasil.

“Na verdade, as pessoas falam muito na profissionalização do futebol, mas isso não é ter gente remunerada cumprindo tarefa. Deve ser feito em cima de um projeto que tenha como quantificar e avaliar no final o que foi feito de certo e errado. Apenas as partidas não podem ser avaliadas, porque um jogo tem muitos fatores externos. No processo de dia a dia, todos os eventos tem como mensurar e ter uma forma de cobrar. Não existe isso no futebol brasileiro. A profissionalizada não existe. Colocam as pessoas remuneradas e fica se tiver resultado. Se não tiver, sai. O treinador cai e agora o executivo cai também”, encerrou.

Bookmark and Share

Fonte: Correio do Povo e Rádio Guaíba







O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.