Correio do Povo

Porto Alegre, 2 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
17ºC
Amanhã
19º 28º


Faça sua Busca


Esportes > Futebol > Grêmio

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

01/03/2014 14:52 - Atualizado em 01/03/2014 15:09

Novo xodó do Grêmio, Luan diz "não temer nada"

Atacante revelado pela base do Tricolor virou uma das principais armas de Enderson Moreira

Atacante Luan concedeu entrevista exclusiva ao CP<br /><b>Crédito: </b> Fabiano Amaral
Atacante Luan concedeu entrevista exclusiva ao CP
Crédito: Fabiano Amaral
Atacante Luan concedeu entrevista exclusiva ao CP
Crédito: Fabiano Amaral

Luan chegou ao futebol gaúcho como um meteoro. Não precisou de muito tempo para a promessa das categorias começar a virar uma realidade. A timidez fora dos gramados contrasta com a completa ausência dela dentro das quatro linhas. Aos 20 anos, parece um veterano. Não se furta de apresentar-se para o jogo, chamar a responsabilidade, partir para cima do adversário, driblar, chutar. Seja no Gauchão ou na Libertadores. Nada parece amedrontar o jovem jogador.

“Eu não tenho medo de nada. Dentro de campo nada me intimida. Ali eu procuro só jogar futebol”, conta um atleta com muito mais receio das entrevistas do que dos oponentes. Aos poucos, ele vai se acostumando com a fama repentina. No gramado, porém, esbanja experiência. Nem o primeiro jogo no torneio sul-americano, diante do tradicional Nacional, no acanhado Parque Central, onde muitos sentem o peso de uma partida assim, o abalou. “Deu um pouquinho de frio na barriga pela estreia. Mas, na hora que a bola começou a rolar, passou. Esqueci de tudo”, lembra.

Em dois meses, Luan já realizou alguns dos seus sonhos. Veio o primeiro jogo, o primeiro gol. Agora, embora hoje ninguém conteste a sua titularidade no Grêmio, o objetivo ainda é confirmar aquilo que apresentou nestes 60 dias entre o time B e a equipe principal. “O sonho é se firmar, continuar jogando”, destaca o atacante com os pés no chão, justamente uma de suas principais características apontada pelos companheiros.

As badalações extracampo, que muitas vezes acabam abreviando a carreira de jovens promessas, praticamente não preocupam o Grêmio. A nova joia gremista mostra-se um jovem muito centrado. Desde que chegou, em fevereiro do ano passado para os juniores, nunca causou problemas. “O único vício dele é o videogame”, brinca o coordenador das categorias de base do clube, Junior Chávare, e o responsável pela sua vinda.

Morando há três semanas em um apartamento perto do Olímpico, no bairro Menino Deus, o atleta recebe constantemente a visita dos garotos que subiram com ele, especialmente de Guilherme Amorim — que veio junto da Catanduvense —, para jogarem videogame. Luan só lamenta que ainda não esteja presente no elenco do Grêmio no “Fifa 14”, o principal jogo de futebol. “Não me botaram, têm que me pôr”, reclama em tom descontraído.

Experiência adquirida no futsal

Até os 18 anos, brilhava no futsal do Rio Preto, em São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, na sua cidade natal. A experiência antiga ajuda-lhe em jogadas quando há pouco espaço, como na construção para o gol de Barcos, o terceiro na goleada de 3 a 0 contra o Novo Hamburgo. A facilidade com a bola nos pés, entretanto, não é a mesma que pelo alto. “Tenho que melhorar um pouquinho o cabeceio. Não sou muito bom. Gosto de jogar no chão”, salienta.

O xodó da torcida virou também o xodó do elenco. Recebe constantes elogios quando os mais experientes são questionados sobre a sua qualidade. No entanto, o bom futebol não o livrou do batismo para um novato: o discurso na frente de todo o grupo. A timidez, porém, fez a revelação se esquivar como pôde. “Eles disseram que tinha que fazer, mas não cheguei a fazer. Outros meninos fizeram, mas eu meio que me escondi”, brinca.

A promessa da base caiu nas graças dos gremistas rapidamente. Seus pés passaram a ser também motivo de esperança para que o jejum de grandes títulos acabe. Na Arena, nos dois últimos jogos, saiu de campo ovacionado. “Estou adorando. É muito bom, uma emoção diferente. Não esperava sair aplaudido”, exalta, com brilho nos olhos. Aumentou também o assédio. “Está um pouquinho maior. Não tinha tanto antes”, acrescenta. E tende a aumentar cada vez mais se mantiver as boas atuações. O torcedor espera que Luan vire o seu próximo grande ídolo.

Bookmark and Share

Fonte: William Lampert / Correio do Povo






O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.