Porto Alegre, sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

  • 08/03/2014
  • 19:04
  • Atualização: 19:18

Brasileiro conquista ouro no mundial indoor de atletismo

Duda faturou bicampeonato no salto em distância na Polônia

Mauro Vinicius da Silva levou ouro neste sábado | Foto: Adrian Dennis / AFP / CP

Mauro Vinicius da Silva levou ouro neste sábado | Foto: Adrian Dennis / AFP / CP

  • Comentários
  • AE

Mauro Vinicius da Silva, mais conhecido pelo apelido Duda, é bicampeão mundial indoor de atletismo. Neste sábado, assim como foi havia sido na edição anterior do campeonato, há dois anos, em Istambul (Turquia), o brasileiro deixou o melhor salto para o fim, chegou a 8,28 metros numa tentativa quase perfeita, e garantiu o ouro no salto em distância em Sopot, na Polônia.

A marca obtida por Duda neste sábado é exatamente igual à melhor dele na conquista do título em Istambul. A diferença é que, naquela ocasião, o brasileiro fez 8,28 metros na etapa classificatória. Na final, conquistou o ouro com 8,23 metros. Dessa vez, o título no Mundial de Sopot só veio no último dos seis saltos da final, com o grande salto de 8,28 metros conseguido por ele.

Na disputa na Polônia, foi tudo ainda mais sofrido para o brasileiro. Na fase de classificação, realizada no dia anterior, ele fez dois saltos ruins (7,64 metros e 7,58 metros) até chegar pressionado à última tentativa. Alcançou 8,02 metros e avançou à final apenas em sétimo lugar. Antes, porém, teve que torcer contra três rivais que ainda poderiam tirá-lo do grupo dos oito melhores.

Já neste sábado, Duda começou a competição bem, com 8,06 metros, garantindo uma boa classificação. Sempre perto dos oito metros, fez 7,94 metros na segunda tentativa e 8,04 metros na quarta, além de queimar a terceira e a quinta. Assim, ele chegou ao último salto pressionado, em quinto lugar.

Naquela altura, Duda precisava de 8,13 metros para chegar à zona de medalha e de 8,23 metros para virar líder da prova. Num salto que ele considerou "perfeito", em que aproveitou bem a tábua de impulsão (ficou a 3,2cm do limite), alcançou 8,28 metros e colocou pressão nos rivais. Dos que vieram depois dele, só um não queimou. O ouro foi confirmado quando o chinês Jinzhe Li falhou a última tentativa, terminando com a prata - o sueco Michel Torneús levou o bronze.

"Às vezes, nós, atletas, temos a mania de falar que não caiu a ficha. Mas não tenho outra resposta. Sou bicampeão mundial. Mas não tenho noção nenhuma do que seja isso. Estou rouco de tanto gritar", festejou o brasileiro, logo após a conquista do título.

Na entrevista, Duda lembrou que teve um início complicado de temporada. Mudou seu local de treino de São José do Rio Preto para São Paulo e sofreu com lesões, na coxa e no calcâneo, que atrapalharam todo o trabalho se base. Mesmo assim, coroou um trabalho árduo com o bicampeonato mundial.

"Tive problemas de lesão. Trabalhamos até em excesso, então as lesões vieram. Mas trabalhamos e não existe campeão sem muito treino e muita dedicação. Deus tem que estar na frente, mas o treino tem que ser muito forte, senão a gente não chega a lugar nenhum", explicou o bicampeão.

Na comemoração, ele também lembrou que só iniciou no esporte aos 17 anos. "O atletismo me descobriu, não fui que fui atrás", contou Duda, que está hoje com 27 anos. "Nunca imaginei ser um dia bicampeão mundial, mas o esporte é feito de superação. Importante é trabalhar para melhorar sempre."

Bookmark and Share