Correio do Povo

Porto Alegre, 21 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
14ºC
Amanhã
12º 28º


Faça sua Busca


Esportes > Futebol > Inter

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

11/04/2014 07:56 - Atualizado em 11/04/2014 08:11

Jogadores do Inter se revoltam com decisão longe do Beira-Rio

Dirigentes afirmaram que veto ao estádio virou motivação no vestiário colorado

Jogadores do Inter demonstram revolta com decisão longe do Beira-Rio<br /><b>Crédito: </b> Alexandre Lops / Inter / Divulgação CP
Jogadores do Inter demonstram revolta com decisão longe do Beira-Rio
Crédito: Alexandre Lops / Inter / Divulgação CP
Jogadores do Inter demonstram revolta com decisão longe do Beira-Rio
Crédito: Alexandre Lops / Inter / Divulgação CP

Instantes antes do treino, os dirigentes do departamento de futebol reuniram os jogadores no vestíario. O objetivo do encontro, realizado na manhã dessa quinta-feira , foi transmitir ao grupo - pelo menos de forma oficial, já que a notícia já era pública desde a noite anterior - que a final do Gauchão não seria no Beira-Rio. "O Gre-Nal decisivo será no Centenário. Vamos voltar a Caxias do Sul", disseram. Houve um princípio de revolta, seguida por resignação, transformada em motivação, segundo os dirigentes.

"Foi horrível. Ninguém gostou, mas não adianta mais nada reclamar. Temos de ir para Caxias e conquistar o título lá. Todos estão conscientes que vamos ter de nos superar um pouco mais", observa o diretor de futebol, Eduardo Lacher.

Abel Braga soube na véspera, logo depois de a transferência do Beira-Rio para o Centenário ser confirmada no site oficial do Inter. O vice-presidente de futebol, Marcelo Medeiros, foi o eleito para transmitir-lhe a informação. "O Abel sabe que não foi culpa nossa. Queríamos, assim como ele, jogar no Beira-Rio, pois sabemos que as nossas chances em casa, com 50 mil colorados a favor, são muito maiores do que em Caxias. Infelizmente, não foi possível jogar no Beira-Rio, mas ele reagiu bem e já começou a trabalhar. Não há abatimento", segue Lacher.

Alex confirma o encontro. E reiterou a revolta do grupo. "Por um lado, lamentamos, pois gostaríamos de jogar no Beira-Rio. Mas, por outro, não dá para ficar pensando muito nisso. A raiva pode acabar tomando conta e vai nos tirar um pouco da consciência de que precisamos demais do resultado", observa o meia, que prossegue: "Temos que esquecer tudo o que aconteceu e jogar da melhor maneira possível lá no Centenário".

Beira-Rio vetado

O Inter não ganhou autorização para usar o estádio - mesmo após dois eventos que reuniram mais de 100 mil pessoas no final de semana no local - por não ter os laudos que garantem a segurança dos torcedores. O Beira-Rio foi vetado, portanto, pelo Ministério Público, com a anuência do Corpo de Bombeiros e da Brigada Militar.

Depois do discurso dos dirigentes e de Abel Braga no vestiário, todos foram ao Beira-Rio - mesmo impossibilitado de receber jogos, o renovado estádio pode ser usado para treinos. O trabalho, a despeito das declarações do treinador de que não prepara surpresas para o clássico, foi vedado para a imprensa. Foi a segunda vez consecutiva que isso aconteceu. A outra foi na quarta-feira. Alex, porém, confirmou que vai para o jogo: "Não perderia uma final", enfatizou. A dúvida que resta é na zaga, entre Juan e Ernando.

Bookmark and Share


Fonte: Fabrício Falkowski / Correio do Povo






O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.