Porto Alegre, domingo, 21 de Dezembro de 2014

  • 06/05/2014
  • 20:13
  • Atualização: 20:14

Apresentado, Carlos Alberto diz não ser polêmico e lembra caso de doping

Meia já vinha treinando e deve reestrear pelo Botafogo em confronto com o Criciúma

  • Comentários
  • Lancepress

Após alguns treinos, o meia Carlos Alberto foi apresentado pelo Botafogo nesta terça-feira no Engenhão. Chegando para sua segunda passagem no Alvinegro, o jogador garantiu estar muito feliz em retornar ao clube em que jogou em 2008. Além disso, fez questão de rejeitar o rótulo de polêmico.

“Não sei o que é ser polêmico. Ser polêmico é falar a verdade, o que penso? É a minha natureza. Não tenho 20 anos. Tenho dois filhos e estou maturando. Tenho qualidades e defeitos como qualquer um. Estou muito feliz de estar com tudo isso a meu favor”, disse o jogador, ao lado do gerente técnico do clube, Sidnei Loureiro.

No Botafogo, Carlos Alberto encontra Emerson. E o meia espera fazer uma boa dupla com o amigo, a quem elogiou a personalidade. Ele espera dar assistências sempre que possível. “O Emerson é sensacional, um amigo. Espero servi-lo. É um jogador que todos precisam, quando as coisas estão ruins você precisa de jogadores assim. Temos outros aqui assim. Quando você troca um clube por outro você sabe porque está fazendo. A situação na tabela não me assusta, se assusta ficaria em casa”, disse.

Rancor pelo doping

Visto como grande promessa e muito elogiado no início dos anos 2000, Carlos Alberto conquistou muitos títulos importantes, mas muitos consideram que ele não deslanchou como jogador. Hoje com 29 anos, ele culpa o episódio de doping - qual já foi absolvido - como determinante em sua vida.

“Tive um divisor que foi o doping, lembro com rancor. Não é simples falar disso. Só eu e a minha família sabemos o que passei. O ladrão sabe por que foi preso: porque roubou. Fui marginalizado. Fiquei seis meses sem jogar. Quando recebi o convite aqui fiquei eufórico: tenho que estar no meio desses caras. Quem me conhece sabe que não fico de palhaçada, nem 'caô'".

Sobre preferência de setor no gramado onde atuar, ele garantiu que o técnico Vagner Mancini o conhece o suficiente. “O Mancini sabe onde eu gosto de jogar. Estou aqui e ele sabe que pode contar comigo”.

Bookmark and Share