Correio do Povo

Porto Alegre, 30 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
18ºC
Amanhã
14º 20º


Faça sua Busca


Esportes > Futebol > Copa do Mundo

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

06/05/2014 21:56 - Atualizado em 06/05/2014 21:59

Valcke diz que Fifa “viveu um inferno” na organização de Copa no Brasil

Secretário-geral também reclamou de atrasos na entrega dos estádios

Valcke destacou problemas na organização da Copa do Mundo do Brasil<br /><b>Crédito: </b> Vincenzo Pinto / AFP / CP
Valcke destacou problemas na organização da Copa do Mundo do Brasil
Crédito: Vincenzo Pinto / AFP / CP
Valcke destacou problemas na organização da Copa do Mundo do Brasil
Crédito: Vincenzo Pinto / AFP / CP

A Fifa "viveu um inferno" para organizar a Copa do Mundo do Brasil por causa dos inúmeros interlocutores com os quais precisou negociar, declarou o secretário-geral da entidade, Jérôme Valcke, nesta terça-feira em Lausane, na Suíça. O francês reclamou dos problemas políticos enfrentados em relação ao Mundial.

"No Brasil, há alguns políticos que se opõem à Copa do Mundo, e nós vivemos um inferno, principalmente porque no país existem três níveis políticos que passaram por mudanças por causa de eleições, fazendo que não conversássemos necessariamente com as mesmas pessoas. Era complicado ter de repetir toda vez a mesma coisa", afirmou o secretário-geral da Fifa.

O francês, que voltará ao Brasil no dia 18 de maio, insistiu no fato de que "não foi a Fifa que organizou o Mundial no Brasil, foi o Paísque decidiu organizar o Mundial em 12 cidades". "Nós apoiamos o Brasil para garantir que o evento será um sucesso, porque a Fifa se baseia no sucesso da Copa do Mundo. Se o Mundial for um fracasso, se houver um problema, nós, a Fifa, ficamos mal", explicou.

A Fifa vai receber os estádios em 21 de maio para um período de uso exclusivo que permitirá a instalação, entre outras coisas, do sistema necessário para garantir a transmissão dos jogos para o mundo todo. "Tínhamos de ter recebido os estádios em dezembro, e estamos recebendo no dia 15 de maio. É um pouco mais tarde do que o previsto inicialmente, mas sabemos nos adaptar", criticou Valcke, que espera que isso não se repita na Copa do Mundo-2018, na Rússia.

"Se eu puder passar apenas uma mensagem oficial, é que a Rússia não acredite que a entrega dos estádios no dia 15 de maio seja uma referência. Espero que os prazos sejam respeitados", declarou.

Apesar dos atrasos, o secretário-geral se mostrou otimista. "Não digo que tudo estará pronto, mas depois de muitas conversas, no que diz respeito aos estádios, ao que precisamos e pelo fato de termos diminuído nossas expectativas, nossas necessidades, temos o necessário para garantir aos jornalistas, às equipes, aos torcedores e aos árbitros uma Copa do Mundo que será, principalmente se o drama de 1950 for apagado para o Brasil, uma lembrança excepcional", concluiu.

Doze estádios no Catar

Valcke também falou sobre o Mundial de 2022, que será organizado no Catar, e classificou como algo sem sentido construir doze estádios no pequeno emirado. "Eu fui o primeiro a conversar com o Catar para dizer que doze estádios não fazem sentido, que dez já era sem sentido e que oito é o número adequado em relação ao tamanho do país", declarou Valcke.

A data do torneio também vem gerando polêmica. Previsto para o verão no hemisfério norte, quando as temperaturas no Catar podem ultrapassar os 40ºC, Valcke insistiu que o evento seja realizado no inverno. "Acho que todo mundo já falou sobre isso exaustivamente. Agora, resta saber quando, no inverno, vai ser disputado", uma decisão que o Comitê executivo da Fifa tomará em março de 2015.



Fonte: AFP






O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.