Porto Alegre, sábado, 25 de Outubro de 2014

  • 14/05/2014
  • 20:25
  • Atualização: 20:28

Leandro Damião tem lesão e só volta após a Copa do Mundo

Médico do Santos disse que centroavante vinha sendo atrapalhado por uma pubeíte nos últimos jogos

Leandro Damião só retorna aos gramados após a Copa do Mundo | Foto: Santos Divulgação / CP

Leandro Damião só retorna aos gramados após a Copa do Mundo | Foto: Santos Divulgação / CP

  • Comentários
  • Lancepress

O departamento médico do Santos ganhou um novo motivo de preocupação para as próximas semanas. Diagnosticado com pubeíte, uma inflamação na região do púbis, o atacante Leandro Damião foi personagem de uma coletiva de imprensa do médico do Santos, Rodrigo Zogaib, nesta quarta-feira. De acordo com o profissional, o tempo de retorno é ou 30 ou 60 dias, dependendo da evolução do tratamento. Dessa forma, o camisa 9 só poderá entrar em campo após a Copa do Mundo.

Além de revelar a lesão de Damião, Zogaib lembrou que o departamento médico do Santos já havia diagnosticado "alterações" nos exames de admissão do atacante, no início da temporada. Além disso, de acordo com o profissional, a lesão no púbis vinha atrapalhando o rendimento do criticado jogador contratado por R$ 42 milhões do Inter, com apoio do fundo de investimentos Doyen Sports.

“Tinha exame sim, e foi detectado, mas não impediu (a assinatura de contrato). Fazemos exames clínicos, sanguíneos, cardiológicos e etc. O Damião tinha, sim, alteração no púbis, a história começou no ano passado, quando teve lesão na Copa das Confederações, depois no Inter teve duas. Quando se tem lesão na coxa tem que parar para depois ganhar musculatura de novo. Não tem nenhum atleta que chega que não tem nada”, justificou Rodrigo Zogaib, explicando o motivo do aval para a contratação do jogador.

De acordo com o médico, a pubeíte de Damião é um "processo inflamatório no púbis, causado por um desequilíbrio muscular entre coxa e parte abdominal". O tratamento da lesão, inclusive, já vinha sendo realizado nos últimos dias, com o jogador em plena atividade. No último domingo, pela primeira vez após 17 jogos, o atacante ficou na reserva com o técnico Oswaldo de Oliveira.

“Fizemos esse tratamento sem ninguém perceber. Ele melhorou muito, mas a dor nunca zerou. Só que ele voltava a jogar e voltava a doer. Chegou ao ponto em que a dor dele causava uma impotência profissional nele. A gente foi pontuando com ele todas as semanas isso. E isso está atrapalhando de uma forma importante o desempenho dele. Ontem (terça-feira) tomamos a decisão de conversar, e afastar ele durante um tempo”, explicou o profissional do departamento médico do Peixe.

Bookmark and Share