Porto Alegre, domingo, 21 de Dezembro de 2014

  • 29/05/2014
  • 17:39
  • Atualização: 17:45

Valor de estruturas temporárias do Beira-Rio ainda não foi 100% captado

Fifa admitiu que as regras para a execução das obras não eram claras e prometeu rever normas para 2018

  • Comentários
  • Lucas Rivas / Rádio Guaíba

Faltando menos de duas semanas para a realização da Copa do Mundo, o governo do Estado admite que os R$ 25 milhões orçados para bancar as estruturas temporárias ainda não foram captados na íntegra pelo Sport Club Internacional. Acordos ainda devem ser fechados para liquidar esse montante. Cinco empresas já confirmaram que vão bancar as estruturas em troca de isenção fiscal, garantiu o secretário estadual do Planejamento, João Motta.

“São empresas conhecidas de todos nós que já estão trabalhando com a área de esporte como a Ipiranga e a Paquetá, apenas para dar um segundo exemplo que é da área de esportes (…) São cinco empresas confirmadas e outras em negociação”, disse.

Dez empresas podem aderir ao projeto das estruturas temporárias, como Gerdau, Vonpar, Fruki, Panvel e Tintas Killing, por exemplo. O secretário ressaltou, porém, que todos os R$ 25 milhões serão captados pelo clube gaúcho sem comprometer as obras temporárias.

“Não acredito pela forma como a gente está trabalhando que haja problemas (para captar recursos). As empresas que já estão confirmadas ou em negociação já atingem esse recurso total e esse cuidado a gente está tendo”, garantiu. Os nomes podem ser divulgados pelo Inter ainda nesta semana.

Conforme João Motta, a subestação de energia construída para atender a demanda de energia do evento já foi concluída e testada. Porém, das três Fan Fests, espaços para receber torcedores que não vão acompanhar o jogo no estádio, apenas a Central teve, até agora, endereço confirmado, o Anfiteatro Pôr-do-Sol. Os outros dois locais ainda serão revelados pela Prefeitura. Apenas Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo vão contar com mais de uma fan fest no Mundial.

Fifa admite culpa para os atrasos nas estruturas temporárias

Em entrevista à BBC Brasil, o secretário-geral da Fifa, Jerôme Valcke, admitiu que a Fifa teve culpa nos atrasos das estruturas temporárias. Valcke disse que desde o início não ficou claro de quem era a responsabilidade por pagar as instalações temporárias em estádios privados. Ele ainda afirmou que esse ponto precisa ser revisto para a próxima edição do Mundial, a ser realizada em 2018, na Rússia.


TAGS »