Porto Alegre, sábado, 25 de Outubro de 2014

  • 12/06/2014
  • 09:07
  • Atualização: 09:13

Filha de Barbosa espera lavar a alma com Copa no Brasil

Tereza Borba disse que irá rezar pelo sucesso de Julio Cesar no Mundial

  • Comentários
  • Lancepress

O sonho de o país sediar sua segunda Copa do Mundo vira realidade nesta quinta-feira, às 17h, com Brasil e Croácia, em São Paulo, no estádio Itaquerão. E entre os milhões de brasileiros que torcem pelo hexa está Tereza Borba, de 54 anos, filha do goleiro da Seleção Brasileira no Mundial de 50, Barbosa. Ela viveu de perto os últimos dias de um dos maiores dramas do futebol brasileiro e viu de perto a crucificação do pai após a derrota para o Uruguai. Para Tereza, chegou a hora de lavar a alma.

"O Barbosa carregou a cruz. Ele dizia que, trinta anos depois, ainda o culpavam. Era mais do que a pena máxima do sistema brasileiro. Acho que o termo é esse mesmo: fazer justiça com quem tanto se dedicou ao Brasil", afirmou a filha do ex-goleiro.

O bate-papo ocorreu em frente à Arena Corinthians. A convite da reportagem, Tereza foi conhecer o palco onde o Brasil inicia a trajetória para tentar, enfim, vencer a Copa em casa. O encontro aproximou da missão brasileira o último elo entre Barbosa e o futebol, a vida. Tereza cuidou dele nos últimos anos de vida, quando ambos mudaram-se para Praia Grande, litoral sul de São Paulo.
 
Barbosa faleceu em 2000 e desde então Tereza dedica-se a preservar a história do “neguinho”, e exaltar suas glórias, muito além de um gol sofrido em Copa. "Vivo viajando para mostrar que ele foi um campeão", afirmou a mulher, que atua como cuidadora de pessoas e criou um carinho especial por goleiros, a ponto de orar pelo êxito de Julio Cesar. "Peço a Deus por ele e, se algo não der certo, que não o culpem", disse.

Para quem não sabe, Barbosa foi, pela vida inteira, vítima de ataques por ter falhado no chute de Ghiggia, no gol do título do Uruguai, no Maracanã entupido de gente, em 50. Tereza não era nascida. Mas pegou para si a missão de desfazer uma injustiça cruel. A Seleção de Felipão e Neymar pode ajudar. Com o título e homenagem aos heróis de 50. Para Tereza e outros, isso é Barbosa.

Bookmark and Share