Correio do Povo | Notícias | Corpos de quatro jogadores da Chapecoense são sepultados em Porto Alegre

Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 18 de Setembro de 2018

  • 04/12/2016
  • 14:36
  • Atualização: 16:12

Corpos de quatro jogadores da Chapecoense são sepultados em Porto Alegre

Matheus Biteco, Dener, Filipe Machado e Kempes valorizavam a família e os amigos

Corpos de quatro jogadores da Chapecoense são velados em Porto Alegre | Foto: Samuel Maciel

Corpos de quatro jogadores da Chapecoense são velados em Porto Alegre | Foto: Samuel Maciel

  • Comentários
  • Correio do Povo

Os corpos de quatro jogadores da Chapecoense, que morreram na tragédia aérea da Colômbia, foram velados neste domingo em Porto Alegre. No Cemitério Parque Jardim da Paz estava o corpo de Matheus Biteco. O volante de 21 anos foi sepultado no final da manhã no próprio local. Ele deixa esposa e um filho de quatro meses. Familiares e amigos compareceram à cerimônia de despedida. O irmão dele e jogador pelo Ceará, o meia Guilherme Biteco, disse que a maior lembrança que fica é “a alegria e irmandade que tinha com todo mundo”. Acrescentou ainda que, a partir de agora, vai jogar sempre pelo “irmão, pelo filho e pela esposa dele”. Matheus e Guilherme jogaram juntos no Grêmio, nas categorias de base.

O enterro foi marcado por forte emoção e tristeza, mas também por cantos e muitas palmas em homenagem. O sepultamento teve a presença do meia Zé Roberto, do Palmeiras, campeão brasileiro de 2016. Emocionado com a perda, ele declarou que vai sempre recordar do amigo como um jovem promissor.

“Tive a honra e a felicidade de conhecê-lo”, afirmou. “Ele faleceu deixando seu legado. O maior legado que eu conheci no pouco tempo que convivi com ele, na época de Grêmio, foi de que era um pai de família, respeitava muito seus pais e ajudava sua família. Ficou uma amizade que vai perdurar para o resto de minha vida.,.. vai com certeza no meu coração”, afirmou.

Zé Roberto disse também que viajou especialmente para Porto Alegre para “dar um abraço” na família Biteco. O meia palmeirense recordou que foi o último a despedir-se dele pois o penúltimo jogo do Brasileirão 2016 havia sido entre Palmeiras e Chapecoense. “No fim do jogo ficou uma imagem muito clara e que fala mais do que qualquer palavra: foi o abraço que nos demos no estádio do Palmeiras”, lembrou. “Ele estava atrás do sonho porque era um garoto sonhador e determinado, com um futuro imenso. Alguns sonhos, ele conseguiu realizar” complementou. Em seu discurso na cerimônia de despedida de Matheus Biteco, Zé Roberto falou que o momento era de tristeza mas que o amigo foi “para os braços do Pai após cumprir sua missão aqui na Terra”.

No Cemitério Parque Jardim da Paz ocorreu também o velório do lateral Dener Assunção, 25 anos, revelado nas categorias de base do Grêmio. O corpo dele foi encaminhado à tarde ao Crematório Metropolitano, mas a família ainda não havia decidido se as cinzas permaneceriam em Porto Alegre ou seriam levadas para Bagé, sua terra natal. Sogro do jogador, Jorge Machado tem boas recordações do genro e destacou que nos últimos tempos o jovem vivia sorrindo.

“Estava feliz por que tinham ido a final da Copa Sul-Americana. Feliz com a carreira dele”, lamentou, enfatizando que se tratava de “um jovem com um futuro brilhante pela frente”. Dener Assunção deixa esposa e um filho de dois anos.

Já no hall do portão A da Arena do Grêmio foi velado o corpo do zagueiro Filipe Machado, 32 anos, revelado pelo Inter. Houve um espaço entre o final da manhã e início da tarde em que a cerimônia de despedida foi aberta ao público, sendo registrado um grande número de pessoas vestindo a camiseta da Chapecoense. Após o velório, o corpo do jogador foi levado à tarde em cortejo até o Crematório Metropolitano. Durante o velório, familiares e amigos prestaram suas homenagens. Uma fotografia de Filipe Machado, colocada em um cavalete, emoldurava o caixão coberto por flores e bandeiras. Um amigo dele, o também jogador de futebol Marcos Camozzato, que retornou há pouco da Bélgica, assegurou que vai guardar uma imagem do amigo: “sempre sorrindo e feliz”. Assinalou que o momento é muito difícil para todos, sobretudo por estarem se despedindo de alguém que passou por muitos obstáculos para construir a carreira.

“A dor é muito forte para nós. Temos de levar de lição a vida que ele levou, valorizando a família, amigos e o grupo. Temos que valorizar realmente cada momento”, concluiu, observando que os dois já haviam jogado juntos no passado. Filipe Machado deixa esposa e uma filha de dois anos.

No Crematório Metropolitano também recebeu o corpo do atacante Everton Kempes, 31 anos, que atuou no Caxias e no Novo Hamburgo. Ele deixa esposa e dois filhos, sendo um de dois anos e outro de sete. Pernambucano, o atleta residia em Porto Alegre. A sogra dele, Fátima César, descreveu o genro como um pai e marido excepcional. “Além de tudo, o considero um filho”, desabafou.