Correio do Povo | Notícias | Batedores da BM farão acompanhamento de corpo de Fábio Koff

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de Outubro de 2018

  • 11/05/2018
  • 10:16
  • Atualização: 11:15

Batedores da BM farão acompanhamento de corpo de Fábio Koff

Cerimônia de cremação será reservada à família do ex-presidente do Grêmio

Batedores da BM farão acompanhamento de corpo de Fábio Koff  | Foto: Carmelito Bifano / Especial / CP

Batedores da BM farão acompanhamento de corpo de Fábio Koff | Foto: Carmelito Bifano / Especial / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Batedores da Brigada Militar (BM) irão acompanhar o translado do corpo do ex-presidente do Grêmio Fábio Koff até o Crematório Metropolitano na final da manhã desta sexta-feira. O dirigente morreu na manhã dessa quinta aos 86 anos, enquanto estava internado no hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre. 

A encomendação do corpo será realizada pelo frei Luciano e o carro fúnebre deve deixar a Arena a partir das 11h. A cerimônia de cremação será reservada à família do ex-dirigente. 

A quinta-feira foi marcada por muita emoção e lembranças da vida de Fábio Koff, que se confunde com a vida do Grêmio. Multicampeão pelo clube, a morte do ex-presidente emocionou torcedores, dirigentes e ex-jogadores. Luiz Felipe Scolari esteve no velório e afirmou que Koff deixou uma marca em sua vida. 

Já o atual técnico Renato Portaluppi o definiu como um pai. Renato conquistou junto com Koff o Mundial de Clubes em 1983. “Queria falar só do carinho que eu sempre tive pelo doutor Fabio Koff. Do prazer imenso de tê-lo como presidente do Grêmio e ter trabalhado com ele principalmente na maior conquista do clube, em 1983”, destacou Renato. 

O mais vitorioso

Fábio Koff foi o presidente mais vitorioso na história do clube. Com ele no comando, o Grêmio conquistou seu maior título, o Mundial de 1983, e também as duas primeiras Libertadores da América, em 1983 e 1995.

O primeiro mandato de Fábio Koff como presidente do Grêmio ocorreu no biênio 1982/1983. No primeiro ano, o clube amargou o vice-campeonato brasileiro com derrota na final em uma polêmica arbitragem para o Flamengo. No ano seguinte, porém, o Tricolor teve suas maiores glórias. O clube se tornou o primeiro do sul do país a ganhar a Libertadores da América. Logo depois, o Grêmio ganhou o Mundial de Clubes contra o Hamburgo no Japão.

Após se recuperar de um câncer, Fábio Koff voltou a ser eleito presidente do Grêmio no final de 1992. Iniciou o segundo mandato em 1993 e em 1994 ganhou a Copa do Brasil, o que fez o Tricolor voltar a Libertadores após 10 anos. E a volta foi em grande estilo. O time comandado por Felipão levou o bi da América em 1995. No final do ano, o Tricolor perdeu o Mundial para o Ajax, mas acumulou as conquistas do Campeonato Brasileiro e da Recopa Sul-Americana no ano seguinte até o final do mandato de Koff em 1997. O Grêmio ainda ganhou três Campeonatos Gaúchos no período.

Fora do ambiente político do Grêmio por alguns anos, Fábio Koff retornou para vencer uma pesada eleição contra Paulo Odone em 2012 e assumiu no biênio 2013/2014. Em seu último mandato, o dirigente não conseguiu repetir as conquistas, mas iniciou uma reestruturação do plantel que foi seguida por Romildo Bolzan Jr. nos anos seguintes para as atuais conquistas.

O ex-presidente do Grêmio começou a sofrer com problemas de saúde ainda em 2015 e deixou o departamento de futebol do clube. Em 2016, Koff chegou a ficar internado por três meses com dificuldades respiratórias. Desde então, passou por diferentes internações até voltar ao hospital no último dia 3.

De sócio a presidente

Formado em direito, exerceu a profissão pelo interior do Rio Grande do Sul, passando por Passo Fundo, Flores da Cunha, Frederico Westphalen e São Jerônimo. Neste período, acompanhava os jogos do Tricolor pelo rádio. Em 1958, tornou-se sócio do Clube e, já em Porto Alegre, entrou para o Conselho Deliberativo no dia 1º de julho 1967.

Com apenas 36 anos, começava uma trajetória de relevantes serviços prestados ao Grêmio. Em 1976, foi eleito vice-presidente de futebol na gestão de Hélio Dourado. Em 1980, concorreu pela primeira vez à presidência do Clube, sendo derrotado pelo próprio Hélio Dourado. Porém, no final de 1981, foi eleito presidente pela primeira vez.