Correio do Povo | Notícias | Em semana de decisão, relembre vitórias do Grêmio na Argentina

Porto Alegre

13ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 17 de Agosto de 2018

  • 02/05/2016
  • 16:23
  • Atualização: 17:13

Em semana de decisão, relembre vitórias do Grêmio na Argentina

Último triunfo tricolor no país vizinho ocorreu contra o River Plate em 2002

  • Comentários
  • Correio do Povo

A tarefa é árdua, é verdade. Mas não impossível. O Grêmio precisa vencer o Rosario Central, na próxima quinta-feira, com dois gols de diferença para avançar para as quartas de final da Libertadores. Por isso, o Correio do Povo lembra as vitórias do Tricolor na Argentina e mostra exemplos de como os comandados de Roger Machado podem voltar do país vizinho com a classificação assegurada. Relembre:

 

• Supercopa Libertadores – 01/11/89 – Estudiantes 0x3 Grêmio

Da mesma forma que neste ano contra o Rosário Central, o Grêmio largou perdendo por 1 a 0 em casa contra o Estudiantes, na primeira partida das quartas de final da Supercopa de 1989. Precisava vencer por dois gols de diferença na Argentina para avançar, mas fez mais do que isso. A crônica da partida do Correio do Povo do dia 2 de novembro credita a classificação do Grêmio como “vibrante e heroica”. Segundo o texto, a equipe “vingou o pavor de seis anos antes” no estádio Dr. Jorge Luis Hirschi, em La Plata, quando o Tricolor vencia por 3 a 0 e “tirou o pé para sair vivo do estádio” no histórico 3 a 3 pela Libertadores. O Tricolor impôs a sua qualidade e abriu o placar com Paulo Egídio. Após erro da defesa, o atacante roubou a bola, driblou o goleiro e abriu o placar.

Cuca, atual técnico do Palmeiras, ampliou aos sete do segundo tempo, depois de driblar toda a defesa adversária. Após o segundo gol, os argentinos partiram para a pressão, que descambou para a violência. Com o terceiro gol, marcado em um rápido contra-ataque por Cuca, três adversários foram expulsos e o Grêmio administrou até o apito final. Os jogadores só conseguiram deixar o gramado do estádio, após a polícia da Argentina conseguir controlar os revoltados torcedores, que arremessavam objetos contra os jogadores.

Estudiantes: Battaglia; Craviotto, Trotta, Agüero e Ramírez; Peinado, Vargas e Cardoso (Kuyumchoglu); Cariaga, Márquez (Di Cario) e Mac Allister. Técnico: Eduardo Solari.

Grêmio: Mazaropi; Alfinete, Luis Eduardo, Edinho e Fábio; Jandir, Cuca, Lino, Alberto Heleno; Kita (Vilson) e Paulo Egídio. Técnico: Cláudio Duarte.

Supercopa Libertadores – 29/09/94 – Racing 1x2 Grêmio

Depois de empatar o primeiro jogo da primeira fase, em 1 a 1, com o Racing, no estádio Olímpico, o Grêmio teve “bravura e personalidade” para ir ao estádio Avellaneda e vencer, de virada, por 2 a 1. A um minuto do segundo tempo, Lopes cruzou e De Vicente cabeceou para o fundo das redes. Com a vantagem, os argentinos passaram a administrar o jogo. Porém, aos 27, Jamir fez grande jogada e lançou Fabinho. Ele escapou da marcação e chutou na saída de Gonzalez.

Cinco minutos depois, Carlinhos recebeu um passe aéreo, mas, mesmo cercado de argentinos, conseguiu encobrir o goleiro da Racing. Racing 1x2 Grêmio. O goleiro Danrlei foi fundamental para a equipe chegar a classificação defendendo quatro bolas dificílimas.

Racing:

Ignácio Gonzalez; Reinozo (Galarza), Borelli , Costas e CarlosSoca; Michelini, Struway, Saralegui e De Vicente; Garcia e Cláudio Lopez. Técnico: Luis Cubilla

Grêmio:

Danrlei; Ayupe, Agnaldo, Luciano e Roger; Pingo, Jamir, Grotto (Leônidas) e Arílson (Ozías); Fabinho e Carlinhos. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

• Copa Mercosul – 22/07/2001 - River 2x4 Grêmio

Após conquistar o Gauchão e a Copa do Brasil, o Grêmio do técnico Adenor Bacchi, o Tite, abriu a Copa Mercosul massacrando o River Plate por 4 a 2, em pleno estádio Monumental de Nuñez. Anderson Lima cobrou falta e abriu o placar aos oito minutos. Esteban Cambiasso empatou aos 34 para a equipe que tinha D'Alessandro no seu meio campo. Tinga recolocou o Tricolor na frente após o goleiro Costanzo não segurar cruzamento aos nove do segundo tempo. Ortega deixou tudo igual aos 20 em cobrança de pênalti. Quatro minutos depois, Franco acabou expulso por falta dura em Fábio Baiano.

Aos 36, Anderson Polga chutou da intermediária, pela direita de ataque, e acertou o ângulo esquerdo de Constanzo. Zinho marcou o quarto gol aos 43, depois de cruzamento rasteiro de Anderson Polga.

River Plate:

Costanzo; Lombardi, Ayala, Sarabia e Franco; Pereyra, Astrada, Cambiasso (López) e D'Alessandro; Ortega e Cardetti. Técnico: Ramón Diaz.

Grêmio:

Danrlei; Marinho, Claudiomiro e Polga; Ânderson Lima, Gavião, Tinga, Zinho e Rubens Cardoso; Fábio Baiano (Guilherme) e Rodrigo Gral (Rodrigo Mendes). Técnico: Tite.

• Copa Mercosul – 01/11/2001 - Talleres 0x2 Grêmio

Depois de empatar com o Talleres, em 0 a 0, no estádio Olímpico, no primeiro jogo das quartas de final, o Tricolor precisava vencer para avançar na Copa Mercosul. Segundo o texto do Correio do Povo do dia 2 de novembro de 2001, o Tricolor batei o Talleres, por 2 a 0, no estádio Olímpico de Córdoba, com “um futebol de força, técnica e velocidade”. Logo a dois minutos, Danrlei salvou o Tricolor em chute de Garay. Com o rodar do relógio, a equipe de Tite conseguiu diminuir o ímpeto do adversário e criou duas chances de gol até o fim do primeiro tempo.

Aos quatro minutos da segunda etapa, Luís Mário invadiu a grande área e, na frente de Cuenca, passou para Rubens Cardoso, que chutou sem goleiro para abrir o placar. Os argentinos se lançaram para o ataque e o Grêmio passou a criar situações de gols. Aos 46, Nenê foi expulso. Dois minutos depois, em um contra-ataque, Cláudio, passou para Émerson, que bateu forte de fora da área para liquidar a partida.

Talleres:

Cuenca; Lillo, Sotomayor, Maidana e Manfredi; Carrizo (La Paglia), Avalos, Albornoz (Monrroy) e Roth; Garay (Urbano) e Cuba. Técnico: Mario Zanabria.

Grêmio:

Danrlei; Marinho, Mauro Galvão (Nenê) e Roger; Pedrinho, Polga, Gavião, Itaqui (Émerson) e Rubens Cardoso; Luís Mário (Renato Martins) e Cláudio Pitbull. Técnico: Tite.

• Copa Libertadores - 24/04/2002 – River Plate 1x2 Grêmio

 

O primeiro jogo das oitavas de final da Libertadores 2002 foi última vitória do Grêmio em terras argentinas. O Tricolor enfrentou o River Plate no Monumental de Nuñez e fez 2 a 1, de virada. O time local começou pressionando e aos 12 minutos, Ortega sentiu lesão, sendo substituído por D'Alessandro. Na segunda etapa, logo a um minuto, o atual técnico do Rosario Central, Eduardo Coudet, aproveitou um rebote e abriu o placar. Atrás no placar, o Tricolor partiu para a pressão. Aos 11 minutos, Luizão passou para Tinga que acertou um belo chute para deixar tudo igual. O Grêmio aumentou a pressão e, aos 45 minutos, Fernando fez ótima jogada e achou Gilberto livre para marcar o gol da vitória.

River Plate: Ángel Comizzo, Hernán Garce, Celso Rafael Ayala, Ricardo Rojas, Eduardo Coudet (Ariel Franco), Cristian Ledesma (Cambiasso), Cláudio Husaín, Victor Zapata, Ariel Ortega (D’Alessandro), Alejandro Dominguez, Fernando Cavenaghi. Técnico: Ramón Ángel Díaz.

Grêmio: Eduardo Martini, Anderson Lima, Anderson Polga, Roger, Gilberto, Tinga, Rodrigo Mendes (Rodrigo Fabbri), Zinho (Menegazzo), Claudiomiro, Emerson , Luizão Goulart. Técnico: Tite