Correio do Povo | Notícias | Inter busca de solução para contrato com canal que deixou de operar no Brasil

Porto Alegre

32ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de Dezembro de 2018

  • 07/12/2018
  • 08:21
  • Atualização: 08:29

Inter busca de solução para contrato com canal que deixou de operar no Brasil

Direitos de televisionamento dos jogos do clube nos próximos dois Campeonatos Brasileiros foram adquiridos pelo Esporte Interativo

Negociação foi feita durante a gestão de Piffero, em 2016 | Foto: Ricardo Duarte / Inter / Divulgação / CP

Negociação foi feita durante a gestão de Piffero, em 2016 | Foto: Ricardo Duarte / Inter / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Fabricio Falkowski

O Inter considera-se prejudicado por uma negociação malfeita durante a gestão de Vitorio Piffero e prepara-se para buscar uma compensação financeira da emissora de TV fechada que comprou os direitos de televisionamento dos jogos do clube nos Campeonatos Brasileiros de 2019 e 2020. Isso deve acontecer de forma amigável, caso seja possível, ou até na Justiça. De qualquer forma, os dirigentes colorados nutrem a esperança de que o clube receba uma injeção extra de recursos ainda nos primeiros meses do próximo ano, dinheiro que poderia ser usado já na busca por reforços.

O clube gaúcho não está sozinho. Santos, Bahia, Ceará e Coritiba buscam a mesma coisa. Todos querem revisar o contrato celebrado com o Esporte Interativo, que pertence ao grupo americano Turner Broadcasting, no primeiro semestre de 2016. O Atlético-PR também assinou o contrato e busca a mesma compensação, mas de forma independente das outras equipes.

Só para assinar o acordo, o Inter recebeu, naquela, época R$ 13 milhões. A partir de 2018, os ganhos seriam de cerca de R$ 30 milhões anuais. O problema é que o canal Esporte Interativo deixou de operar e, segundo informação repassada pelos executivos da Turner Broadcasting aos dirigentes dos clubes, o Brasileirão seria transmitido nos canais Space e TNT, que também pertencem ao grupo. Porém, são canais que não têm esporte na programação, o que diminuiria a visibilidade dos parceiros comerciais dos clubes.

Outro ponto importante é que o Palmeiras, que assinou com o canal na mesma época, recebeu um valor bem mais alto de “luvas”, o que contraria o acordo. Por um contrato de seis anos, o clube paulista teria recebido - os dados do contrato são protegidos por cláusulas de confidencialidade - cerca de R$ 100 milhões só em luvas.

O Inter e os outros quatro clubes notificaram extrajudicialmente a emissora há algumas semanas. Em reunião na semana passada, o Esporte Interativo cedeu e aceitou negociar para evitar um imbróglio judicial que poderia inviabilizar a transmissão do Brasileirão. O canal se comprometeu a fazer uma proposta para solucionar o impasse com os clubes até o dia 15 de dezembro. Os dirigentes colorados, embora não se pronunciem publicamente sobre o assunto, esperam que tal manifestação seja uma promessa de mais dinheiro. Será isso ou disputa na Justiça.


TAGS » Futebol, Inter, Esporte