Correio do Povo | Notícias | Crédito cobre demanda de produtores da Expointer

Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 24 de Setembro de 2018

  • 25/08/2017
  • 08:52

Crédito cobre demanda de produtores da Expointer

Bancos prometem disponibilizar recursos para todos os pedidos de financiamento

  • Comentários
  • Cíntia Marchi / CP

Os bancos garantem volume de crédito suficiente para suprir toda a demanda dos produtores durante a Expointer. Neste ano, além dos programas tradicionais de investimento, como o Moderfrota (para máquinas e equipamentos agrícolas), PCA (armazenagem) e o Moderinfra (irrigação), algumas instituições financeiras darão destaque a projetos de financiamentos voltados à sustentabilidade no campo, como a geração de energia limpa no meio rural, por meio de linhas como o Inovagro (inovações tecnológicas) e o Programa ABC (integração lavoura-pecuária visando à redução na emissão de carbono).

Banco do Brasil, que detém 60% dos financiamentos destinados ao setor, informa que, nesta edição, a intenção é superar a marca de R$ 800 milhões em projetos de investimento no segundo semestre do ano, puxados principalmente pela Expointer, que é grande impulsionadora dos negócios. De acordo com o banco, de julho a dezembro de 2016 foram contratados no Estado R$ 650 milhões em investimentos, a maioria originados na feira.

A Caixa pretende aplicar cerca de R$ 870 milhões no Rio Grande do Sul, no ano safra 2017/2018, mas não estabeleceu um montante específico para a feira. O foco será a prospecção de negócios. Tendo inserido o crédito agrícola ao seu portfólio em 2013, atualmente a Caixa detém 5% deste mercado. “Apostamos na menor burocracia e na agilidade da liberação dos recursos para crescer neste segmento”, diz o diretor executivo de Produtos de Varejo da Caixa, Humberto Magalhães.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), que deverá disponibilizar R$ 300 milhões durante a feira, repetindo a oferta de 2016, e o Banrisul, que diz que atenderá toda a demanda, adiantam vão adotar como estratégia a divulgação de projetos relacionados à sustentabilidade do agronegócio.

O diretor de Crédito do Banrisul, Oberdan de Almeida, lembra que a linha Pronaf Investimento tem taxas de 2,5% ao ano para empreendimentos voltados à conservação de solo, irrigação, produção agroecológica e geração de energia alternativa. O gerente de Planejamento da Agência do BRDE no Rio Grande do Sul, Alexander Leitzke, diz que a instituição focará em projetos de linhas de crédito como Inovagro, Programa ABC e Moderagro.

O Badesul, que disponibiliza R$ 400 milhões para o Plano Safra 2017/18, continuará apostando na modernização e a inovação como foco de atuação na Expointer. A presidente da instituição, Susana Kakuta, lembra que uma novidade do atual Plano Safra é a possibilidade de apoio financeiro para a implantação e manutenção de florestas de oliveira e noz-pecã, duas culturas com iniciativas estaduais, por meio do Programa ABC.

O Sicredi disponibilizará R$ 300 milhões, mas caso haja demanda maior promete atender. “Estaremos direcionando nossas forças para mapear as oportunidades em cada uma das cadeias produtivas em que atuamos”, comenta o presidente da Central Sicredi Sul/Sudeste, Fernando Dall’Agnese.