Correio do Povo - O portal de notícias dos gaúchos | Versão Impressa

Porto Alegre

31ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de Janeiro de 2019

Jornal > Há um século no Correio do Povo

ANO 115 Nº 137 - PORTO ALEGRE, DOMINGO, 14 DE FEVEREIRO DE 2010

As touradas em Porto Alegre

 Praça de Touros de Porto Alegre no Parque da Redenção | Foto:  cp memória

Praça de Touros de Porto Alegre no Parque da Redenção | Foto: cp memória

Praça de Touros de Porto Alegre no Parque da Redenção
Crédito: cp memória



No dia 14 de fevereiro de 1910 não houve edição do Correio do Povo. Na época, o jornal não circulava às segundas-feiras

O público que assistia às touradas realizadas na Praça de Touros, localizada na esquina da Rua da República, no atual Parque da Redenção, envolvia desde o mais humilde até a alta sociedade da época. Os touros eram procedentes da Fazenda Leão, considerados os mais bravios.

TOURADAS

Com uma enchente á cunha, a ponto de ser esgotada a venda de localidades, realisou-se ante-hontem, no circo do Campo da Redempção, a corrida annunciada pela empreza Amaral, em beneficio do habil e intelligente artista Manoel Antelo, espada da quadrilha.

O que de mais distincto, tanto no bello sexo, como no masculino, possue a nossa sociedade, se via no circo, que apresentava, nesse dia, o mais attraente aspecto. A funcção foi magnifica, quer pelas peripecias nella occorridas, quer pela excellencia da maioria dos touros, todos muito bons. E muito melhormente apresentar-se-iam elles ás sortes, si não estivessem um pouco enfraquecidos, ao que parece pela falta de conveniente alimentação. Ainda assim, alguns dos animaes exhibidos, já pela sua braveza, já pela rapidez de suas arremettidas, deram que fazer aos artistas. Nessa corrida, deu-se uma circumstancia curiosa: todos os artistas, sem excepção de um só, trabalharam com rara felicidade. Ou fosse pelo desejo que todos nutriam de dar uma esplendida funcção, em honra ao beneficiado, ou fosse porque todos estivessem bem dispostos, ou fosse pela qualidade dos touros, ou por qualquer outro motivo, em summa, o facto é que, mesmo os que até aqui se têm mostrado mais mediocres, na arte tauromachica, postaram-se com a maior galhardia, executando bonitos e arriscados passes. Foi um verdadeiro desafio, em que cada qual se esmerou em bem trabalhar. Francisco Antelo uma das primeiras figuras da troupe, fez uma bella péga, que muitos e justos applausos lhe valeram. Esperando de costas o touro, conseguiu elle prender-se perfeitamente entre as duas aspas do animal, onde se conservou firme. Logo em seguida, Gamuzzi, estimulado por essa sorte, também espera, de costas e ajoelhado, o touro, igualmente agarrar este pelas duas aspas. Uma tempestadade de applausos coroou o arrojado trabalho do valoroso artista. O nosso patricio Luiz José Cabral, a quem coube lidar, a cavallo, o 4 touro, metteu-lhe varios ferros. Como é natural, em se tratando de um amador, o seu trabalho não foi completo, visto ter deixado que o touro tocasse, por diversas vezes, o cavallo que montava. Despresado esse senão, em que temos visto cair, frequentemente, cavalleiros de profissão, deve-se confessar que se houve Cabral com relativa habilidade. O moço de forcado Munhoz Sogado, que pela primeira vez se exhibiu na arena toureando, enfeitou o animal com algumas bandarilhas, aliás bem postas. E'' elle um principiante que muito promette, não só pela sua coragem, como pela destreza e gosto que revela. Diremos que a funcção de ante-hontem agradou geralmente, sendo opinião de quantos a ella assistiram que, bem poucas vezes, os artistas poderão, em conjunto, trabalhar com tanta felicidade e exito. Um curioso, de nacionalidade hespanhola, teve a perna fracturada, conforme noticiámos em outro logar desta folha, ao pretender emfrentar com o ultimo touro, destinado aos amadores. O pobre homem foi retirado, em braços do redondel, onde apenas se apresentaram tres ou quatro curiosos, que não conseguiram tirar o premio. O touro que era reforçado e atropelador, afugentou, naturalmente, outros pretendentes ao premio, que nem siquer se animaram a descer á arena. Foi até para se lamentar que um touro tão bom deixasse de ser lidado pela quadrilha.

Touradas do dia 17/1/1901

Apesar das corridas realisadas no velodromo da União Velocipedica e das diversões populares na rua dos Andradas, foi extraordinaria (quasi uma enchente á cunha), a concorrencia á funcção effectuada ante-hontem pela empresa Amaral. Os touros apresentados eram regulares, mas em sua maioria negaceadores, pelo que permittiam aos artistas a execução de melhores sortes. Da primeira parte, que constou de quatro touros, foi o clou a bonita péga feita por Gamuzzi que, sentando-se em um banco e dando as costas ao touro, consegiu apanhal-o perfeitamente entre as aspas. O Bahiano e o valente moço de forcado Munhoz Salgado, mettidos em cavallos de papelão, deram sortes comicas de fazer todo o publico, a bandeiras despregadas. Tram-bulhões em penca, quedas grotescas, cambalhotas, tudo concorreu para que a pantomima tivesse o fim desejado - produzir franca hilaridade entre os espectadores. Só essa nota verdadeiramente carnavalesca, que teve a funcção de ante-hontem, valeu o preço da entrada.





HÁ UM SÉCULO NO CORREIO DO POVO > correio@correiodopovo.com.br