Porto Alegre

25ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

Jornal > Polícia

ANO 115 Nº 180 - PORTO ALEGRE, SEGUNDA-FEIRA, 29 DE MARÇO DE 2010

Confusão e morte em churrascaria

 Homem almoçava com a esposa e dois filhos pequenos quando foi assassinado | Foto:  ANTÔNIO SOBRAL

Homem almoçava com a esposa e dois filhos pequenos quando foi assassinado | Foto: ANTÔNIO SOBRAL

Homem almoçava com a esposa e dois filhos pequenos quando foi assassinado
Crédito: ANTÔNIO SOBRAL



O almoço em família de Edgar Vidaleti da Silva, de 30 anos, terminou em tragédia no início da tarde desse domingo na avenida Sertório, zona Norte da Capital. Acompanhado da esposa e dos dois filhos pequenos, ele almoçava em uma churrascaria, quando foi alvejado com uma série de disparos. Segundo a Brigada Militar, dois homens que chegaram de bicicleta ao local invadiram o restaurante - por volta das 13h30min - e dispararam diretamente contra Silva, que morreu na hora. Logo após o crime, os suspeitos teriam fugido a pé, possivelmente em direção à vila Nazaré, localizada nas proximidades.

Na hora dos disparos, o restaurante estava cheio. Houve tumulto. Na confusão, mais três pessoas que estavam numa mesa próxima ficaram feridas. Adriana Cristiane Vargas Silveira, de 38 anos, Jaques Augusto Vargas, de 39 anos e Andrei Vargas Silveira, de 13 anos, foram encaminhados ao Hospital Cristo Redentor, onde receberam atendimento. Todos passam bem, inclusive Adriana, que está grávida de quatro meses.

De acordo com o delegado de plantão, Guilherme Vondracek, a partir de hoje, os familiares começarão a ser ouvidos para verificar o que pode ter motivado o crime. "Ainda não temos informações. Vamos procurar descobrir se a vítima tinha algum desafeto", declarou.

O inspetor Renato Martins, da Delegacia Volante da Polícia Civil, acredita na hipótese de execução, devido à forma como o crime aconteceu. "Pelas informações que recebemos, não houve anúncio de assalto." Muito abalada, a prima de Silva, a técnica de enfermagem Denise Nunes, que chegou mais tarde ao local do crime, disse que não conseguia imaginar motivos para o ato. "Ele era um homem correto. Não bebia, só cuidava da família e era religioso. Tinha recém-casado. Por que fariam isso?", questionava.