Correio do Povo - O portal de notícias dos gaúchos | Versão Impressa

Porto Alegre

20ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 10 de Dezembro de 2018

Especial > Capa

ANO 116 Nº 157 - PORTO ALEGRE, DOMINGO, 6 DE MARÇO DE 2011

A força da risoterapia na rotina de trabalho

Conhecido como Dr. Risadinha, Marcelo Pinto afirma que o riso melhora a produtividade, a criatividade e o trabalho em equipe

Para Marcelo Pinto, conscientizar-se da importância do riso é fundamental para conservar o bom humor | Foto: arquivo pessoal

Para Marcelo Pinto, conscientizar-se da importância do riso é fundamental para conservar o bom humor | Foto: arquivo pessoal

Para Marcelo Pinto, conscientizar-se da importância do riso é fundamental para conservar o bom humor
Crédito: arquivo pessoal

Autor do livro "Sorria, Você Está Sendo Curado", Marcelo Pinto é, hoje, uma das referências quando se fala da importância da alegria no trabalho. Conhecido como o Dr. Risadinha, é frequentemente consultado por empresas e chamado para proferir palestras sobre o tema. Fundador do Espaço do Riso e do Clube da Gargalhada (SP), defende a inclusão da gargalhada e da descontração no ambiente de trabalho como forma de melhorar as relações interpessoais e aumentar a produtividade entre os funcionários.

Correio do Povo - Qual o princípio básico para manter o bom humor no trabalho?

Dr. Risadinha - Logo que acordar, a pessoa tem que definir qual vai ser sua atitude para o dia. Algo do tipo "eu quero que meu dia seja...". Claro que se vai estar sujeito a uma série de interferências que irão tentar tirar essa alegria. Mas a pessoa tem que estar esperta para isso, estar alerta quando a negatividade aparecer para não se deixar entrar neste círculo vicioso. Se eu chegar no meu trabalho depois de pegar um trânsito louco e alguém me perguntar se são horas de chegar, tem-se que pensar que isso é problema de quem perguntou, a angústia é dele.

CP - Mas o que fazer quando as interferências acabam afetando a alegria?

Dr. Risadinha - Se a pessoa não está legal, não é por isso que vai estragar o dia dos outros. Se não vai ajudar, não precisa prejudicar. Fique neutro, não destrua o dia de ninguém, pois mau humor é contagioso.

CP - De que forma a pessoa pode colocar para fora esse mau humor?

Dr. Risadinha - Ha várias formas de extravasar essa emoção. Pode xingar, chorar, mas o melhor é gargalhar, que é o rir gritando. Mesmo que seja um riso forçado, é válido. Existe um estudo que prova que nosso cérebro não diferencia o riso forçado do genuíno. O benefício de qualquer um deles para nós é o mesmo. As pessoas têm que entender a risada como um exercício, que passa a ser uma forma de movimentar várias órgãos.

CP - E se o ambiente de trabalho não for adequado para dar gargalhadas?

Dr. Risadinha - O indivíduo pode sair do ambiente de trabalho para fazer isso, ir para o banheiro, ou extravasar de outro jeito. Caso contrário, irá somatizar a angústia, que resulta em dor no corpo, na desmotivação e na baixa autoestima. A partir do momento em que você adota uma postura negativa, atrairá coisas negativas. A pessoa levanta, topa na cama, vai escovar os dentes, espirra creme dental na roupa, deixa cair café na calça, enfim, uma coisa puxa a outra. Se não tiver consciência disso, o dia acaba.

CP - Como funciona essa terapia do riso?

Dr. Risadinha - Você tem que ter uma dinâmica da gargalhada, estimular o riso. Para isso, pode rir da própria imagem em frente ao espelho, ter sempre à mão um CD ou uma revistinha de piadas, assistir a filmes de comédia, ter um saco da gargalhada ou mesmo um diário onde anota situações engraçadas para depois reler. Tem que criar situações que despertem a alegria. Desta forma, você fará a risoterapia.

CP - Que atitudes a pessoa pode ter no dia a dia para não deixar que a tristeza chegue?

Dr. Risadinha - A empresa pode criar um espaço para que as pessoas possam se divertir e se descontrair. Na sua própria mesa de trabalho, você pode colocar elementos que remetam à alegria, como uma foto ou um objeto. Os funcionários podem combinar de fazerem comemorações por aniversários, metas alcançadas, ou qualquer outra coisa. As pessoas podem montar um "risômetro" (aquela régua que mostra o humor do dia) para que todos identifiquem quando ela não está bem. Se a empresa inserir 10% de descontração no seu ambiente, os funcionários devolvem com 30% a mais de produção. Um ambiente descontraído facilita o trabalho em equipe. As pessoas alegres têm as áreas do cérebro mais oxigenadas, e isso faz com que fiquem mais leves e criativas. O riso no trabalho faz com que as pessoas se sintam mais voltadas à empresa, pois sabem que lá têm oportunidade de ficarem bem.